Queimadas prejudicam moradores de Santa Eudóxia

Queimadas prejudicam pessoas em Santa Eudóxia

O vereador Roselei Françoso (Rede) protocolou um requerimento na Câmara Municipal para questionar a Prefeitura de São Carlos quanto às queimadas e ao descarte de entulhos em Santa Eudóxia depois de receber graves denúncias dos moradores. No documento o vereador solicita a instalação de um Ecoponto no distrito.

“Meus pais moram no distrito, eu tenho parentes, amigos e frequentemente estou por lá e por isso mesmo sou muito cobrado quanto a essas queimadas”, explica Roselei.

O descarte irregular de entulhos ocorre em uma área próxima ao cemitério e na estrada de acesso à Santa Rita do Passa Quatro. De acordo com os moradores, entulhos, resto de sofás e demais objetos são descartados, ocasionando danos ao meio ambiente, acúmulo de água, mau cheiro e servindo de criadouro de animais peçonhentos. “Além disso, esse material é queimado de forma criminosa de acordo com a  legislação ambiental brasileira”, ressalta o vereador.

A moradora do distrito e mãe de Benício de três anos, que nasceu prematuro e tem paralisia cerebral grave, Maísa Cristina Messias, é uma das principais denunciantes. Benício fica 24 horas ligado a aparelhos, especialmente o concentrador de oxigênio.  “Esse aparelho absorve o oxigênio direto do ar, ele não filtra. Quando tem queimadas eu preciso retirá-lo de casa com toda a dificuldade que isso representa”, explica Maísa.

O caso de Benício, que inclusive recebe apoio da própria Prefeitura quanto aos cuidados de saúde, ganhou repercussão em abril deste ano quando uma ONG promoveu uma campanha de doação para aquisição de equipamentos e medicamentos.

A servidora pública Eliana Tassim Salatino disse que a população do distrito precisa se unir para pensar em ações que impeçam as queimadas. “Já marcamos uma reunião para discutir o problema. As crianças e idosos sofrem com as doenças respiratórias”, disse.

“Os moradores do distrito já são penalizados com os agrotóxicos que são dispensados nas plantações de cana e laranja. Agora, nesta época de seca, não podemos admitir essas queimadas”, observou Roselei. “Um grupo de mulheres já se organizou para reivindicar uma solução, principalmente quanto aos resíduos do próprio cemitério”, lembra o vereador.

 

Solução – Diante das denúncias e das fotos que recebeu, o vereador Roselei, além de enviar um requerimento à Prefeitura, já entrou em contato com o secretário de Habitação, João Muller, para viabilizar uma área para a construção do Ecoponto, e com o secretário de Serviços Públicos, Mariel Pozzi Olmo, para que tome providências quanto as queimadas e a limpeza do cemitério. “Os dois secretários sinalizaram positivamente para a construção do Ecoponto, agora vamos trabalhar para tentar viabiliza-lo”, frisa Roselei.

Foto: Assessoria do Vereador Roselei