23 anos de Alternativa A

  • Por Glauco Keller Villas Boas

Abril de 1998, os professores Pedro Marcelo Batista, o Sebá, e Cássio Mori deram início a um novo projeto na cidade de São Carlos. Em parceria com a então Rádio USP, sob a frequência de 102,1 FM, criaram o Mata-Burro, um programa para discutir temas voltados ao vestibular. Sem experiência com radiofusão, os professores de química e física tentavam resolver exercícios, indicar tendências e entrevistar convidados criando um formato de programa para difusão de conhecimento e cultura, mas sem o peso que essas palavras sempre carregaram. Com bom-humor, piadas e muita diversão, o Mata-Burro descontraia a séria programação da Rádio USP.

Dois anos depois, chegaram dois professores das humanidades, Alex Turci, de história e Luis Henrique, o Montanha, de Geografia. Cássio foi buscar outros caminhos e o trio passou a comandar o Mata-Burro.

Cheguei em 2000 ou 2001, nem me lembro, e me juntei à turma. Em novembro e dezembro, auge dos vestibulares, o Mata-Burro trazia dicas especiais para as provas e fazia as correções pela Rádio. Não havia internet, nem tampouco a chance de conferir se havíamos acertado as questões. Assim que as universidades liberavam as provas, começávamos a resolvê-las e corríamos para a rádio para comentar as questões e informar o gabarito para os alunos.

Depois, a parceria da Rádio Universitária com a USP se acabou e fomos convidados pela Fundação Theodoreto Souto a dar sequência ao programa Mata-Burro sob um novo nome, surgia o Alternativa A, nome escolhido pelo presidente da Rádio, João Gadia. Continuamos a falar de vestibular, mas diversificamos e passamos a discutir os assuntos da semana em política, cultura e esportes, além de trazer entrevistados para dialogar com a gente.

Em 2011, direto de Araras e da beira dos gramados de futebol, chegou o PG e eu, já na apresentação do programa, vi o Alternativa crescer e buscar novos horizontes. 2019 começou com uma nova parceria, o portal de notícias saocarlosemrede, do cientista social Renato Chimirri. Surgia a coluna Alternativa A. Enquanto isso, o programa de rádio trazia professores, jornalistas, escritores, músicos, produtores culturais, diretores de cinema e políticos de todo o Brasil que passavam por nossa bancada e nos brindavam com histórias e muito conhecimento. João Bosco, Mauricio Kubrusly, Kid Vinil, Wandi Doratiotto e toda a turma do Premê, Márcia Tiburi, Marco Antonio Vila, André Barcinski, Rodrigo Carvalho, João Canalha, banda Carne Doce, Zuenir Ventura e tantos outros nos brindaram com discussões e ensinamentos que marcaram a Rádio de São Carlos. O formato de lives via facebook trouxe uma nova proposta para o programa que passou a ser realizado dos estúdios de TV do Colégio Interativo com velhas parcerias como o blog Sociologia e Análise e o AZ palavras de Diego Messias, outro grande incentivador do conhecimento e da cultura da nossa cidade.

Em 2020, a pandemia nos obrigou a ficar longe dos estúdios, perdemos o nosso mestre. O professor Sebá, ia embora vítima de câncer, nos legando  uma obrigação tamanha: não deixar a peteca cair e continuar levando conhecimento e bom-humor para os nossos ouvintes. Com a parceria com a Rádio Universitária e a amizade com o André Moraes, o Doni Petilli e o Marcelão Piovanni cada vez mais forte, recebemos a nova integrante do Alternativa A, a cientista da informação Athaís Goulart que chegou falando de cultura e trazendo novas ideias para os velhos professores.

Por isso, nada mais especial do que comemorar os 23 anos do Programa Alternativa A com a quinquagésima coluna Alternativa A, lembrando momentos especiais ao lado dos leitores, ouvintes e internautas que, em todo esse tempo, estiveram com a gente nos apoiando e nos dando suporte para sempre levar arte, conhecimento, ciência e cultura àqueles que nos ouvem, assistem ou leem. Muito obrigado a vocês pela parceria nesses 23 anos e aguardem que vem muito mais por aí!

  • O autor é professor e jornalista.