8 mil alunos da região de São Carlos em situação de vulnerabilidade social podem solicitar merenda extra 

Medida de reforço entra em vigor a partir de 27 de setembro para famílias de baixa renda inseridas no Cadastro Único e inscritas no sistema da Secretaria da Educação 

A Secretaria da Educação do Estado de São Paulo (Seduc-SP) anunciou nesta semana a implementação da merenda escolar extra para até 700 mil estudantes em situação de vulnerabilidade social da rede estadual.  

A medida vai entrar em vigor a partir de 27 de setembro, após as famílias de baixa renda inseridas no Cadastro Único do Governo Federal inscreverem seus filhos no sistema da Seduc-SP, em cidades que possuem o sistema de merenda Centralizado, ou seja, provida pela própria Secretaria e não em convênio com o município.  

Na região Central mais de 8,7 mil alunos, dos municípios Araraquara, Itirapina, Rincão e São Carlos, se encaixam nas condições. 

No total serão R$ 424 milhões investidos na ação. A medida faz parte da política de alimentação suplementar implantada pela Secretaria da Educação no período de pandemia e pós-pandêmico. 

“Desde o início da pandemia, fomos o primeiro estado a apresentar uma solução para quem está na pobreza e extrema pobreza. De forma inédita, o Governo do Estado lança a continuidade desse programa suplementar da merenda escolar”, disse o Secretário da Educação, Rossieli Soares. 

Os estudantes interessados já podem realizar a manifestação de interesse na Secretaria Escolar Digital – SED (https://sed.educacao.sp.gov.br/saiba-como-acessar) até do dia 19 de setembro. As refeições começam a ser servidas a partir do dia 27 de setembro. A distribuição da refeição extra será feita da seguinte maneira: 

• Estudantes do período diurno nas escolas regulares terão direito a duas refeições diariamente: uma na escola e a outra que poderá ser levada para casa; 

• Estudantes do período noturno nas escolas regulares além da merenda servida na escola, será fornecido kit alimentação; 

• Estudantes em escolas de ensino integral em adição à refeição diária, os dois lanches já servidos ganharão reforço. 

Desde o início da pandemia, a Secretaria da Educação adotou medidas para apoiar as famílias dos estudantes da Rede Estadual, principalmente durante o período de suspensão das aulas presenciais. No programa Merenda em Casa foram R$ 395,6 milhões pagos em 10 parcelas – R$ 55/mês pagos por estudante – para 770 mil alunos beneficiados, cerca de 22% da rede.