A COVID leva o meu amigo Roni Silva: até quando vamos aguentar tantas perdas?

Descanse em paz, querido amigo!

21 de outubro. É a data do meu aniversário, mas era a data do aniversário do meu amigo Roni Silva. Todos os anos, a Rádio Clube, o programa  Carlinhos Lima, tocava parabéns para homenagear a mim e também ao Roni, que por anos foi o operador do programa, uma espécie de coração da emissora. Mas neste ano, o 21 de outubro será bem triste, porque recebi a informação que nesta noite, em Araraquara, faleceu meu amigo Roni Silva por complicações da COVID-19.

Na sexta-feira fiz a reportagem sobre o pedido de sua filha por uma vaga de internação e de alguma forma consegui ajudar o Roni a ser internado em meio ao caos que estamos vivendo com todos os leitos ocupados pela COVID-19. A esperança parece que vai indo embora a cada dia, primeiro porque idiotas não acreditam na doença e depois porque esses mesmos paspalhos não contribuem para as medidas de mitigação do vírus, única saída antes de passarmos pela vacinação.

Aos que negam a gravidade da pandemia só tenho a dizer uma coisa: o que vocês querem falar à família do meu amigo Roni Silva?

Sabe gente, o Roni era uma pessoa doce, gentil, trabalhadora, humana, um cara 100%, desconheço qualquer pessoa que não gostasse dele. Ele era de uma sensibilidade absurda, porque sabia exatamente o que falar às pessoas quando elas precisavam.

A partida do Roni é mais uma das tantas que já ocorreram nessa pandemia, mas será sentida por demais aqui em São Carlos, pois ele era uma pessoa querida por milhares, e sua ida tão cedo deixa apenas uma lacuna irreparável em nossos corações. Seu falecimento, assim como os outros que ocorreram neste tempo tão triste devem nos levar para uma reflexão básica: quanto dor precisaremos sentir para entendermos a gravidade do momento que vivemos?

Hoje, a família do Roni está em prantos, com o coração partido e a saudade desse grande amigo jamais passará. Daqui um tempo, ela será vista de uma outra forma, porque é assim que as coisas ocorrem, mas o Roni nunca será esquecido, afinal pessoas marcantes e do bem como ele deixam um legado de amor e solidariedade por onde passam.

É o momento de compreendermos que não somos nada, que um vírus invisível está nos derrotando justamente porque temos gente no comando que diz que precisamos parar com o “mimimi”. Queria ter o poder para perguntar ao cara do “mimimi” o que poderíamos dizer para esses queridos amigos enlutados. O que será que ele falaria? Não, nós não somos essas pessoas que não tem solidariedade, ao contrário, vamos enchê-los de amor, de carinho, de proteção, vamos tentar fazer um pouquinho daquilo que o Roni sempre fez, para que eles se sintam amados.

Nesse momento, só consigo lembrar das palavras de São Paulo Apóstolo aos Coríntios no capítulo 13: “O Amor tudo desculpa, tudo crê, tudo espera, tudo suporta! O Amor jamais acaba!”

Descanse em paz, meu amigo Roni Silva!

Renato Chimirri