A mulher que conheceu mais de 50 igrejas de Santo Antonio

Bolo: tradição mantida em São Carlos

Fotos: Maurício Duch

Dona Anísia tem 77 anos. É a típica vovó com seus cabelos brancos. Nasceu em SP, mas veio para São Carlos ainda criança quando seu pai trabalhava na estrada de ferro. Ela conta que aprendeu a devoção a Santo Antonio com sua família descendente de portugueses. “Meu avô Merval era devoto, minha avó, meu pai e minha mãe, na minha casa todos somos, até meus netos”, afirma.

Ela diz que prefere não contar onde mora e sua justificativa é plausível: “Hoje tem muito assalto, vai que alguém lê e vai espreitar!”

Mas Dona Anísia afirma que já teve graças com Santo Antonio. “Meu filho Adalberto estava desenganado com muita febre em 1977, achávamos que ele iria morrer, eu cerrei o joelhos e fiquei, rezei a Santo Antonio, por três dias seguidos e ele se curou!”, conta. “Muitos vão dizer que não foi o santo, mas quem guiou os médicos? Foi Deus, através de Santo Antonio”, emenda.

A vovó tem as mãos um pouco trêmulas, mas isso não tira sua vontade levar o bolo de Santo Antonio para a sua casa. “Vim a pé, pego o bolo todos os anos, sou uma mulher de fé, tem um pedaço pros netos, para a família inteira, todo mundo come um pedacinho”, ressalta.

Santo Antonio faz parte de sua vida e se transformou numa verdadeira dinastia. “Meu marido é Antonio, um dos meus filhos e um dos meus netos, aqui todo mundo é fervoroso por ele, um exemplo de fé em Jesus Cristo”, conta.

A devota ressalta que tem muito carinho pelo santo e que por onde passa se a cidade tiver uma igreja em memória ao seu querido “Toninho”, ela faz questão de visitar. “Outro dia fui até Gavião Peixoto e conheci a igreja de lá, mas que coisa linda!”, contou.

Ela diz que já foi em pelo menos 50 igrejas de Santo Antonio. “Ah, procuro para saber onde tem”, brinca.

Diante do fervor de Dona Anísia é possível perceber que a devoção a Santo Antonio está garantida por muitos anos. “Esse é aqui é Lucas, um dos meus netinhos, ele também é devoto de Santo Antonio”, aponta para o menino que sorri.

Dia

O dia na igreja começou com uma alvorada festiva às 6 horas da manhã e terá diversas atividades. Uma delas é o tradicional bolo que será vendido por cinco reais o pedaço e terá 130 metros. Uma tradição que é mantida ao longo dos anos numa das paróquias mais lembradas de São Carlos.

Foi celebrada missa às 6h30, depois elas retornam às 9h, 11 horas, 13 horas, 15 horas (celebração presidida pelo bispo auxiliar Dom Eduardo Malaspina) e 19 horas.