A “orquestra” da Prefeitura de São Carlos precisa tocar a mesma música

Tem que tocar a mesma música

Nos bastidores políticos se diz que a Prefeitura tem  grupos políticos que não andam tão afinados assim durante o atual mandato e todos sabemos que num governo onde não há coesão a orquestra desafina. Quem não se lembra daquela péssima administração que passou por São Carlos onde o prefeito se dizia maestro e a orquestra, a todo momento, tocava uma música diferente, não é?

A dupla Airton e Edson Ferraz precisa ficar atenta se quiser continuar desenvolvendo o governo com o relativo sucesso que tiveram no primeiro mandato. Cumpre lembrar, que Airton se reelegeu pelo seu trabalho à frente da Prefeitura, bem como porque a eleição não teve um candidato realmente de peso eleitoral para bater frente com o atual mandatário e se o governo não demonstrar coesão política, certamente isso acarretará na possibilidade de rachaduras no navio municipal que podem implicar no aparecimento de uma oposição mais contundente.

A oposição sistemática pode não surgir na Câmara, mas sim nas ruas e também pelo desmantelamento da equipe de governo. Se grupos se digladiarem pelo poder a administração não conseguirá colocar em prática seus maiores projetos e isso certamente comprometerá o desempenho do governo diante da opinião pública.

Airton Garcia no seu primeiro mandato teve como “obra” fundamental a questão do recapeamento da cidade, neste momento, e também por causa da pandemia de COVID-19 que castiga qualquer prefeitura, Airton enfrenta grandes dificuldades e isso não é culpa sua, mas sim do momento político e sanitário em que vivemos e é primordial que sua equipe de governo seja unida, focada e que busque alternativas para a cidade sair rapidamente do caos que a COVID nos impõe. Time que fica discutindo por coisas pequenas não consegue focar em jogos maiores, é preciso ter visão política e nenhum grupo consegue governar sozinho, uma administração é uma obra de arte coletiva que tem momentos onde todos precisam ceder espaço para que o projeto caminhe.

Se o governo se perder em pequenos grupos, toda a gestão ficará comprometida porque não se pode observar sustentáculo em casa onde o alicerce não é firme e a dupla que administra a cidade provavelmente conhece essa máxima.

São Carlos é muito maior que uma disputa política, temos que pensar na cidade que queremos para o futuro, temos que planejar o município depois da pandemia de COVID e isso não é pouco, porque essa situação sanitária delicada passará, pode até demorar mais do que esperamos, mas a política precisa continuar a ser feita de maneira elevada. Brigas por quinquilharias não contribuem com um governo que foi reeleito. É hora de prestar atenção aos sinais que estão sendo dados.

Renato Chimirri

Imagem de Ioana Sasu por Pixabay