A pandemia em São Carlos não é mais um número, mas sim o rosto de um conhecido

2286, recorde de mortes na pandemia de COVID-19 em todo o Brasil, vacinação caminhando a passos lentos e gente duvidando que o vírus existe, que mata e destrói famílias e sonhos. Em São Carlos, hospitais tomados pela COVID-19, 100% de ocupação, não há leitos, não há vagas, pessoas estão internadas no Ginásio Milton Olaio, na UPA da Vila Prado, hoje são 8 que esperam por vagas em hospitais. Era só uma gripezinha? Não era, né?

Alguns idiotas insistem em festas, pancadões, aglomerações, dizem que a máscara não funciona, desafiam os conceitos científicos e acreditam em alienações como o tal do tratamento precoce, mais uma mentira usada para justificar a incompetência das autoridades que rejeitaram ofertas de vacinas. Poderíamos estar vacinando desde novembro do ano passado. Se isso estivesse acontecendo, o quadro no Brasil hoje seria outro completamente diferente.

Em São Carlos as aglomerações elevam casos, causam mortes, deixam muita gente doente, tudo por causa de duas horas de prazer, cerveja quente e azaração. Essas pessoas se esquecem que estão levando o vírus para os mais vulneráveis e que também estão eliminando empregos, pois com altos índices de contaminação, hoje foram mais de 200 casos positivos em São Carlos, o comércio NÃO abrirá tão cedo. Quem perde? O comerciante e também o empregado que corre o risco (e diria que grande) de ficar sem sua vaga de trabalho no futuro.

A pandemia está descontrolada em São Carlos, matando muito e agora chegou em rostos conhecidos, matou gente que convivia conosco, mandou para UTI um parente nosso, um amigo, um conhecido, aquele cara que nos entregava tal coisa. A doença está perto, está nos rodeando, nos procurando e se dermos mole ele chegará em nossa casa. É isso que você quer?

A cada dia que sobe o número de vítimas fatais em São Carlos, significa que o vírus está mais perto da sua casa, da minha, de onde moram os nossos pais, tios, avós e amigos. O momento é muito delicado e não há governo que dê jeito em pessoas que não conseguem fazer um simples resguardo, as pessoas apertaram o f….-se e saíram para a rua.

Todo mundo está cansado, né? Pois é, eu também estou, sempre escrevendo a mesma coisa, parecendo um robô, contudo essa é a minha função e preciso continuar aqui dizendo que a pandemia agora não é mais um número em São Carlos, mas sim o rosto de um conhecido. Você quer que ela te pegue?

Renato Chimirri