A situação é crítica em São Carlos e normalizaram a pandemia

Mais exames foram divulgados hoje

Nesta semana a UNIMED, maior plano de saúde da cidade, portanto a representante do setor privado que tem milhares de clientes em São Carlos emitiu dois comunicados. O de hoje, 12, informa simplesmente que as suas dependências estão lotadas tanto na enfermaria, como na UTI, cirurgias foram reduzidas, as particulares estão canceladas. O pedido é para que as pessoas evitem procurar o Hospital no Centro se não houver urgência. A pandemia com a terceira onda que veio junto com a segunda e que emendou com a primeira foi normalizada em São Carlos.

Há relatos das festas, dos churrascos e dos encontros, de locais que não estão respeitando a capacidade limite e com a vacinação lenta restou ao são-carlense normalizar a pandemia de COVID-19 e isso aconteceu até na Prefeitura, pois vários secretários e até o vice-prefeito contraíram a doença e tudo continua na mesma. São Carlos se escora no Plano SP de João Doria e vivemos a sanfona eterna do fecha e abre, quando na verdade, o melhor seria lá atrás ter fechado tudo para derrubarmos a transmissão, agora estamos à mercê da propagação do vírus que é desenfreada.

Ontem foi o recorde de óbitos de são-carlenses que estavam internados por aqui e em outras cidades. Teve gente que não contou direito e achou que era exagero, mas não era, estamos morrendo e a pandemia foi normalizada ao passo que os jovens estão levando o vírus para dentro de casa e há pessoas que reclamam da fiscalização quando ela acontece.

Pessoas morrem em São Carlos hoje aguardando leitos, porque eles não existem, a COVID mata como nunca, somente neste seis meses foram mais 300 mortes, como isso não deixa ninguém assustado? Como anda tem gente que vai na Prefeitura e tenta entrar em uma secretaria sem máscara? Como alguém diz que o vírus é político?

O vírus está matando em São Carlos, passeando, entrando em suas casas e as pessoas não estão ligando, apertaram a tecla do que “se dane” e vamos viver a vida ou a morte, não é? Uns ainda dizem que mesmo pessoas vacinadas estão morrendo, sempre é preciso lembrar que a vacina aplicada em larga escala imuniza coletivamente e o Brasil ainda não está neste patamar, por isso podemos ter casos em que a vacina não funciona em determinada pessoas e isso acaba gerando este tipo de óbito, mas a proteção coletiva a salva da doença.

A ignorância está matando, os queridos moradores do Aracy precisam de testagem em massa, rastreamento dos casos e sim: vacinação em massa para derrubar o contágio com rapidez. Estamos abandonados à nossa própria sorte porque o planejamento dos governos em todas as esferas é falho, parece que esperam que tudo se resolva naturalmente. Desse jeito, a resolução chegará, mas quantas vidas perderemos? Quantas empresas quebrarão com a morosidade na vacinação? Quantas famílias ficarão sem comer?

Normalizar a pandemia significa perder vidas, perder empregos e demorar muito para ver a vida voltar ao normal.

Estamos sem esperança.

Renato Chimirri