Aos 77 anos, ciclista ainda pedala e coleciona mais de 800 troféus

Pedalando sempre

Ele não desgrudava os olhos da pista. Mesmo com vento forte e um dia bastante frio em plena primavera, o técnico assistente do ciclismo de Jundiaí fez questão de acompanhar de perto a prova de Critérios por Pontos, na tarde da segunda-feira (19). Experiente, Israel Bernardi carrega uma bagagem de mais de 800 troféus e muitas histórias para contar.

“Iniciei no ciclismo na década de 1950 porque eu tinha um irmão que pedalava. Eu jogava futebol até os 17 anos, mas via as provas de ciclismo e passei a gostar. Então comecei a pedalar. Em 1960 fiz o serviço militar e depois peguei firme no ciclismo. Disputei os primeiros Jogos Regionais por Jundiaí em 1961, e já em 1964 conquistei o primeiro título”, contou o ex-atleta, que guarda com orgulho uma cópia da reportagem que noticiou sua vitória em Itu.

No total, já são 56 anos de Jogos Regionais e Jogos Abertos, competições que, além dos títulos, lhes deram a oportunidade de conhecer várias cidades. São Carlos foi uma das primeiras, em 1963. Mas aquela não foi a única visita à cidade do Clima, que em um só dia faz o atleta sentir a sensação das quatro estações, como nesta segunda, que depois do frio e da chuva, o sol deu o ar da graça.

“Tenho muitas recordações de São Carlos, devo ter participado de umas 10 provas aqui e minhas lembranças são muito boas. A cidade está muito bonita, é hospitaleira, é sempre bom estar aqui”, falou.

A paixão pelo ciclismo fez Bernardi enfrentar diversas barreiras até conseguir o apoio que realmente precisava. Chegou a ir pedalando de Jundiaí a Sorocaba para participar de uma prova. Mas depois, conseguiu patrocínio da própria empresa onde trabalhava.

“Trabalhei numa firma que me concedia tempo para treinar e ainda me patrocinava. A prefeitura também passou a me incentivar. E eu gostava muito do ciclismo, porque sempre consegui unir família, serviço e manter a saúde em dia. Tanto que hoje estou com 77 anos e ainda dou umas pedaladas”, destacou.

O segredo para conquistar tanto apoio e tantos troféus? A dedicação. “Você tem que estar muito bem preparado. No meu tempo só tinha uma categoria, hoje já entrou Mountain Bike, BMX, e em todas elas você tem que estar muito bem preparado até para conseguir vir para os Jogos Abertos. Graças a Deus, conseguimos destaque nos Regionais para participar dos Abertos diversas vezes, tanto como atleta, quanto como ciclista”, disse.

Bem-humorado, Bernardi contou que toda vez que sai para andar de bicicleta na cidade natal, alguém o aborda. “E quando me perguntam se ainda dou conta de andar, brinco que agora estou correndo na categoria PC. E geralmente a pessoa pergunta: ‘que categoria é essa?’. Eu logo respondo: “Pé na Cova”, contou rindo de si mesmo e feliz por estar na 82ª edição dos Jogos Abertos do Interior, em São Carlos.

 

OUTRAS HISTÓRIAS – Percorrer as pistas de ciclismo é encontrar histórias que inspiram. Como a de Valdinéia Brandino dos Santos, de 36 anos, que participa das provas com o marido e com o filho, de 18.

“Meu esposo começou a competir, depois meu filho mais velho se interessou, e em seguida o caçula e eu começamos e nos apaixonamos pelo ciclismo. Ela corre por Mogi Guaçú e o filho, Arthur Brandino dos Santos, por Rio Claro. Ambos estão na 2ª Divisão e participaram da prova de Critérios por Pontos.

“O coração vai a mil. Fico muito mais feliz com o resultado do meu filho do que com o meu, porque como mãe, sou a fã número um dele”, comentou a atleta que faturou a medalha de bronze, mesmo após ter um problema técnico com sua bicicleta. “O trocador de marcha quebrou e precisei concluir a prova com uma marcha só. Foi puxado, mas consegui”, celebrou.

Embora as provas do masculino e feminino sejam separadas, Valdinéia e Arthur treinam juntos diversas vezes. “Como meu filho está treinando especificamente para o Campeonato Brasileiro de Pista, ele me ajudou a treinar para os Jogos Abertos. Além de fazer treinos juntos, ele me dá dicas e isso me ajuda muito”, relatou.

A atleta também conquistou bronze na prova de Velocidade Olímpica – VO (em equipe) junto com Gabriela de Souza Gonçalves, realizada no sábado (17). “Fiquei muito feliz com os resultados. Sou apaixonada por ciclismo”, finalizou.