As alterações no Projeto Recreação são indefensáveis, diz a vereadora Raquel Auxiliadora

Raquel é vereadora em São Carlos


O Projeto Recreação, de educação esportiva e social, ministrado por educadores físicos no contra turno escolar, nasceu no “Parque Infantil de Vila Nery”, e  funciona desde 1955 em São Carlos, chegando a atender 1000 crianças entre 6 e 12 anos. 

Muito além de incentivo à prática de esportes, fomento ao convívio saudável por meio da atividade física e descobrir talentos, a Recreação já desenvolveu inúmeras iniciativas nas áreas de lazer, cultura e artes, como brincadeiras, dança, música, teatro, pintura e leitura.  A campeã olímpica Maurren Maggi e a jogadora da seleção feminina de futebol, Mônica de Paula, são duas atletas de elite que começaram no Projeto Recreação.

Apesar de todos os benefícios e sucesso do Projeto, o Governo Airton Garcia, desde 2017, vem atacando-o. Primeiro, mudou a ordem de atribuição aos educadores físicos, deixando a recreação como sua última escolha, o que já demonstrava o desinteresse da gestão em priorizar o projeto.

Na última quarta (16), foram feitas alterações drásticas no projeto. Isto é, seu caráter abrangente será reduzido e apenas as crianças matriculadas na rede municipal de ensino terão vaga garantida, as demais terão que aguardar vagas remanescentes. Além disso, o projeto que acontecia 5 vezes na semana passará a ter atividades somente em 2 dias. 

Segundo a vereadora Raquel Auxiliadora, “essas reduções inexplicadas, tanto de dias nos quais o projeto será oferecido, quanto de abrangência das vagas são indefensáveis. A história e importância do projeto estão sendo deixadas de lado pelo governo Airton Garcia.”

Sobre as alterações, continua Raquel, “o momento que vivemos na Educação Municipal é muito delicado, são muitas reivindicações não atendidas em todas as Unidades Escolares e muitas decisões da Secretaria Municipal de Educação sem explicação. Não podemos permitir que mais uma iniciativa histórica do município, comprovadamente de sucesso, seja desmontada por falta de planejamento de um governo.”

Como forma de pressionar a Secretaria Municipal de Educação a dar respostas, a vereadora agendou no último dia 7, Audiência Pública na Câmara Municipal para o dia 17 de março, às 19h. “A Secretaria Municipal de Educação e o governo Airton Garcia terão que rever essa decisão de acabar com um projeto de 67 anos de história que trouxe tantas alegrias e conquistas ao município.”