CEMEI Bruno Panhoca anuncia que não voltará às aulas presenciais no dia 7 e pais ficam revoltados

Por meio um aviso nas redes sociais, a CEMEI Bruno Panhoca informou que não retornará às aulas presenciais no dia 7 de fevereiro de 2022. O recado diz que o retorno às aulas nesta  unidade de ensino depende uma “autorização judicial”.

A escola informou que os ajustes internos já estão sendo concluídos e as medidas cabíveis para o retorno presencial estão sendo tomadas pela direção da unidade e também pela Secretaria Municipal de Educação.

A escola informou que assim que a autorização judicial for dada, os pais serão avisados pela direção da escola.

O aviso (que você pode conferir no final do texto) deixou os pais revoltados e a rede social da escola recebeu diversos protestos. Todos os pais cobravam explicações sobre os motivos do não retorno.

Explicação

De acordo com a vereadora Raquel Auxiliadora (PT) esse processo que é mencionado na postagem se refere à uma demanda movida pelo Sindspam no ano passado que denunciou a situação precária em que as escolas se encontravam, especialmente no que dizia respeito à estrutura e questões da COVID-19. “Essa foi uma das escolas que tínhamos o laudo da Vigilância antes de se mover a ação e começamos o processo com esse laudo onde eram apontadas as adequações que precisavam ser feitas para que ela funcionasse”, salientou.

Raquel explicou que a justiça ao tomar conhecimento do laudo embargou essa unidade. “Às demais escolas foram pedidos laudos da vigilância, Corpo de Bombeiros e etc, enquanto não cumprir as exigências da justiça, ela continuará fechada, essa escola deveria ser prioridade da educação municipal, pois a justiça não proibiu o funcionamento das demais, mas solicitou adequações e sobre essa escola já havia a lista do que deveria ser feito”, explicou.

NOTA DA SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO (SME)

A Secretaria Municipal de Educação (SME) informa que as adequações solicitadas pela Justiça já estão sendo realizadas pela Secretaria de Obras Públicas (SMOP). A escola já foi ampliada e já foram trocadas pias, madeiras, realizado o fechamento do telhado e o prédio recebeu pintura nova interna e externamente, com investimento de R$ 557 mil. Nos próximos dias a Procuradoria Geral do Município (PGM) vai apresentar à Justiça todas as adequações que foram realizadas para a liberação das aulas na unidade escolar.