Cia. Pé na Tábua completa 13 anos de resistência no cenário da dança

Espetáculo garantido

Uma extensa programação foi pensada para celebrar essa expressão artística, agregando conhecimento científico, processos criativos artísticos, acessibilidade e inclusão social

Chapinhas e sapatos brilhando para celebrar os 13 anos de resiliência da Cia. de Sapateado Pé na Tábua, de Ribeirão Preto, que se dedica à pesquisa rítmica aliada ao movimento corporal e à pesquisa em dança. Para celebrar essa trajetória, foi idealizado um projeto denominado “Tripé”, que, com apoio do Ministério do Turismo, Secretaria Especial da Cultura, Lei Aldir Blanc e Governo do Estado de São Paulo, por meio da Secretaria de Cultura e Economia Criativa, terá início no dia 22 de maio e se estenderá até o mês de agosto com diversas atividades remotas, oferecidas de forma gratuita.

A preocupação constante com a formação de público e acessibilidade aos bens culturais que produz sempre se fez presente na trajetória da cia. A necessidade de sair dos espaços convencionais de apresentações de dança e também de procurar outros formatos além do palco italiano atravessa esses deslocamentos e reflete a busca constante pela democratização do acesso ao sapateado que é feito.

A fim de contribuir na expansão das noções de acessibilidade importantes para o contexto nacional em Dança, a Cia. pretende atuar no campo da comunicação acessível, colocando em foco, principalmente, o uso da língua brasileira de sinais e da audiodescrição em trabalhos artísticos-culturais. Para seguir nesse caminho plural e consciente, o projeto Tripé engloba ações urgentes para os próximos processos de criação da Cia, e que podem impactar diretamente na inclusão social, tão ou mais urgentes nesse tempo de pandemia.

Além disso, o projeto prevê ações de partilha de processos criativos, uma vez que o pensamento e o debate sobre dramaturgia no campo do sapateado é extremamente escasso.

Em resumo, as ações do Projeto Tripé englobam a criação de vídeos de processos criativos para compartilhar com o público e outros artistas, um Webinário cujo tema é Dança e Acessibilidade, com enfoque principalmente na acessibilidade comunicacional, e finalmente, a criação de um website para a Cia.

Além deste projeto, a Cia se debruça no processo criativo do seu mais recente trabalho cênico, intitulado “Atalhos”, também com apoio da Secretaria de Cultura e Economia Criativa do Estado de São Paulo. A trilha sonora é assinada pelo músico carioca João Callado e o processo conta com a colaboração do percussionista corporal Charles Raszl, do Grupo Barbatuques.

Programação Maio – Projeto TRIPÉ

  • Sábado, 22/05 às 14h. Mesa Temática – Dança e Acessibilidade: ensaios para uma prática mais acessível com Gabriel Domingues e Lívia Motta. Diálogos que buscam ampliar as possibilidades cênicas, refletindo sobre a hierarquia dos sentidos, sobretudo a visão para o campo da Dança, aproximando as/os participantes da audiodescrição como poética e Direito.

Transmissão ao vivo no canal da Cia – youtube.com/ciapenatabua

  • Sexta, 28/05, às 18h e Sábado, 29/05, às 14h. Encontro – Dança e Acessibilidade: experimentos em audiodescrição ministrado por Lívia Motta. Sensibilizar as/os participantes por meio de experimentos e demonstrações práticas de audiodescrição para espetáculos de dança, apontando possíveis caminhos e escolhas dessa comunicação acessível ao projetarem seus trabalhos futuros.

Ingressos online via Sympla – sympla.com.br/ciapenatabua

Este projeto é realizado pela Lei de Emergência Cultural Aldir Blanc (Lei 14.017/2020 do Governo Federal), através do PROAC LAB (Programa de Ação Cultural Lei Aldir Blanc) do Governo do Estado de São Paulo, por meio da Secretaria de Cultura e Economia Criativa, Governo Federal, Ministério do Turismo e Secretaria Especial da Cultura.

Serviço: Projeto Tripé (Cia Pé na Tábua)

De Maio a Agosto

Local: YouTube