Com cepa nova, prefeitos de São Carlos e Araraquara deviam pressionar por vacinação em massa na região

Vacinas Coronavac

O diagnóstico da cepa de Manaus na região, sobretudo nos exames de Araraquara e a provável chegada dela à São Carlos reforçam a necessidade de isolamento, limpeza, cumprimento dos protocolos de segurança por parte dos comerciantes, responsabilidade da população na condução de suas atitudes perante o coletivo, assim como mostram a urgência da necessidade de vacinas.

Se a cepa está rodando por aqui com a destreza que vimos, com internações demoradas, com necessidade de hemodiálise e o sistema de saúde perto do colapso é fundamental dar um passo político e sanitário que una São Carlos e Araraquara pela vacinação na região central para todos os municípios e em massa.

Sabemos que ainda há estudos para saber se a Coronavac, por exemplo, corta a transmissão do vírus, temos notícias do projeto em Serrana, mas a região central do Estado passa por um momento crítico demais e é hora dos prefeitos das cidades mais importantes dessa parte do Estado tomarem posição urgente pró-vacina e já!

Airton Garcia e Edinho Silva precisam pressionar João Doria, senão teremos mais mortes, UTIs cada vez mais lotadas e o drama de uma região devastada economicamente pela COVID aumentará ainda mais. Sem contar o quase martírio que temos diariamente que passar ao conviver com negacionistas da doença que são estimulados por políticos irresponsáveis e idiotas que nada fizeram para conter a pandemia e agora não estão nem aí para o povo.

Se continuarmos vacinando nesse ritmo moroso que vemos em todo o Estado e no Brasil será que não poderemos ver novas cepas aparecendo em SP, o estado com a maior população do país?

A vacina não pode ser instrumento político, agora é a hora da saúde e só quem mora na região central sabe o drama pelo qual estamos passando com as pessoas que mais amamos podendo ser contaminadas e não terem lugar para o seu tratamento.

Os prefeitos precisam marcar posição, dar o recado, pois representam toda uma população que está vivendo dias de muita angústia e preocupação. Eles foram eleitos para isso, para defender as cidades que representam.

Estamos na lona, quase sem leitos e também com um fio bem fraco de esperança. O próximo passo é o colapso total.

Renato Chimirri