Coronavírus: Secretário defende alinhamento de restrições ao comércio em São Carlos com o decreto do Governo do Estado

Quase ninguém pelas ruas em função do isolamento

O secretário de Habitação e Desenvolvimento Urbano da Prefeitura de São Carlos, João Muller, voltou a se posicionar sobre a questão do enfrentamento do Coronavírus na cidade por parte do governo Airton Garcia.  “Acho que nosso governo vem tratando com muita seriedade as ações de combate à pandemia de Coronavírus em nossa cidade e região. Sob comando do prefeito Airton estamos impondo as restrições de mobilidade urbana e isolamento social, recomendadas pelo “mundo” como única forma de combate à proliferação rápida do vírus desconhecido”, afirmou.

 

Segundo ele, todo o governo municipal está mobilizado na tarefa de combater o vírus em São Carlos. “A estrutura de Saúde trabalha incessantemente nas UPAs, USFs, UBSs, CEME. Nossa estrutura de Assistência Social prepara logística para atender a alta vulnerabilidade social. A Secretaria de Segurança, Guardas Municipais, Agentes de Trânsito aliados a fiscalização de posturas e vigilância sanitária estão há seis dias fiscalizando o cumprimento dos Decretos Municipais sobre restrições de funcionamento do comércio em geral e a Comunicação com excelente trabalho na divulgação das ações”, avaliou. “Se até aqui viemos bem, com um número de contaminados, ainda, controlado precisamos agora aliar combate à doença com apoio financeiro as famílias de trabalhadores autônomos e pequenos comerciantes”, emendou.

O secretário apontou algumas ações, que em sua visão, o governo municipal deve tomar para continuar combatendo o Coronavírus, bem como ajudando a cidade no desenvolvimento econômico. “Acredito que é preciso alinhar nosso decreto com prazo de vigência próximo ao do governo do Estado sobre as restrições à algumas atividades comerciais. Doria determinou fechamento do comércio por 15 dias até 07 de abril. Poderíamos reduzir o nosso prazo que ficou em 40 dias e monitorar a evolução da pandemia. Se necessário retomamos novos prazos”, defendeu.

 

Muller também diz que a administração deve estudar a possibilidade de isentar o pagamento de água em local com consumo baixo, estabelecidos pelo SAAE e iniciar uma campanha pela redução do consumo. “Com as pessoas em casa, o consumo será muito alto. Pode desabastecer a rede”, acredita.

 

Porém, ele também acha que a cidade precisa pensar em quem não tem o que comer. “O município precisa adquirir 10 mil cestas básicas em 60 dias para atender famílias que terão dificuldades em adquirir o básico para o sustento. Seria preciso enviar uma Lei à Câmara para autorizar o uso do contrato com a empresa que fornece para os servidores; assim como encaminhar um Projeto de Lei para isentar duas parcelas de ISS (Imposto Sobre Serviços), beneficiando prestadores neste período de restrições de mobilidade”, projeta.

 

Entretanto, o secretário ainda aponta que a Prefeitura pode pedir mais autorizações à Câmara Municipal. “É preciso solicitar à Câmara autorização para desvincular alguns fundos e aplicar nas ações de combate à pandemia de Coronavírus; e criar, pelo Fundo Social uma central de doações de alimentos, remédios, materiais hospitalares e recursos em pecúnia e  agilizar a revisão da contextualização com a Santa Casa o mais rápido possível para enfrentar o impacto do COVID 19 nos serviços de Saúde”, destaca.

 

Entretanto, o secretário pede que São Carlos passe a testar mais pessoas. “ Seria preciso adquirir testes de Coronavírus para aplicar em nossa rede, evitando especulações e ter uma exatidão nos números apresentados a comunidade e definir ações emergenciais. Minhas propostas aliadas ao apoio dos governos estadual e federal, o que costuma ser burocrático poderá tranquilizar as pessoas, que terão garantia da subsistência das suas famílias e deixarão de discutir o que é mais importante: combater a doença ou salvar a economia. Uma está associada a outra, ambas são importantes. Já encaminhei minhas sugestões ao Comitê de Crise e administração”, finaliza.

Foto: Waltinho Milanetto