Covid-19: Pesquisadores da USP São Carlos trabalham para produzir teste rápido, barato e portátil

Trabalho por novo teste

Pesquisadores do Instituto de Química de São Carlos (IQSC) e do Instituto de Física de São Carlos (IFSC), ambos da USP, trabalham em parceria para produzir nova ferramenta de diagnóstico simples, portátil, rápido e de baixo custo, para diagnóstico da COVID-19 (coronavírus).

 

O diagnóstico rápido dos portadores, permitindo o isolamento e o tratamento adequado é um fator importante de sucesso no combate do covid-19. Os testes atuais são baseados em duas formas de detecção: presença de anticorpos, mas que pode apresentar resultado negativo no período inicial de incubação ou através do emprego do PCR, feito apenas em laboratórios, que detecta o material genético do vírus tão logo ocorre a infecção, independente portanto, da pessoa apresentar os sintomas.

Pesquisadores do Grupo de Bioanalítica, Microfabricação e Separações (BioMicS) (IQSC/USP), coordenado pelo cientista Emanuel Carrilho e do Grupo de Polímeros “Prof. Bernhard Gross” (IFSC/USP), do qual faz parte o cientista Osvaldo Novais de Oliveira Junior, estão trabalhando no desenvolvimento de biossensores para teste diagnóstico da doença de forma rápida, simples, portátil e de baixo custo. A tecnologia, baseada em anticorpos e material genético específico ao coronavírus, deve ter minimamente o mesmo desempenho e confiabilidade das metodologias hoje empregadas para determinar a presença de infecção. Os grupos já trabalham com a detecção de câncer através de biossensores e o processo está sendo adaptado para a identificação do vírus causador da covid.

A pesquisa integra o Programa USP Vida. A equipe é composta também pelos pós-doutorandos Andrey Coatrini Soares (IFSC), Juliana Coatrini Soares (IFSC), José Luiz Bott Neto (IFSC), Laís Canniatti Brazaca (IQSC) e Valquiria da Cruz Rodrigues Barioto (IFSC), além da doutoranda Amanda Hikari Imamura (IQSC).

A pesquisa também amplia horizontes para aplicação de biossensores na medicina, à medida que se aprende o processo de construção/adaptação dessa tecnologia a novas demandas.

Contato: emanuel@iqsc.usp.br

Por Sandra Zambon (Comunicação IQSC)
Imagem adaptada de BioMicS e Pixabay