COVID-19: Sem esforço da sociedade, pessoas podem morrer de forma desnecessária, alerta diretor médico da Santa Casa

Reunião na Prefeitura

O diretor médico da Santa Casa, Roberto Muniz, pediu no dia de ontem, 28, durante reunião na Prefeitura que a sociedade de São Carlos faça um esforço para aumentar as medidas de prevenção e combate ao Coronavírus. “Se não houver um esforço da sociedade, esse trabalho (das entidades hospitalares, empresários e poder público) será insuficiente e pessoas podem perder a vida de forma desnecessária”, destacou.

Segundo ele, há poucos leitos de UTI na Santa Casa. “Hoje restam poucos leitos de UTI, dos nossos 18 disponíveis temos apenas 3 ou 4 com vagas, porque continuamos recebendo doentes, neste ritmo estaremos lotados até o final da semana que vem”, ponderou.

Roberto Muniz disse que as enfermarias dos hospitais estão todas tomadas. “É bom lembrar que o paciente de enfermaria tem potencial para a UTI, nos preocupa a lotação da enfermaria e também o que isso significa para a lotação da Terapia Intensiva”, assegurou.

A média de tempo de um paciente internado na Unidade de Terapia Intensiva é de 15 a 20 dias, portanto uma longa permanência, o que dificulta rotatividade de leitos.

O provedor da Santa Casa, Antonio Valério Morillas Jr, disse que é muito difícil prever a condição de vagas nesse momento para a cidade. Ele explicou que a Santa Casa trabalha no limite. “Como foi exposto, em 90% da região já há falta de leitos, a Santa Casa consegue ter um ou dois leitos, quando tem, por isso digo que o momento é muito preocupante e desesperador”, adverte.

Valério afirmou que se a população não fizer o seu papel e contribuir com o distanciamento e isolamento social, usando máscaras e higienizando suas mãos a situação será calamitosa em São Carlos e no resto do Brasil. “Apoio e peço que as autoridades municipais tomem medidas mais duras, são doloridas, mais necessárias para preservar vidas, a Santa Casa apoia todo ato da Prefeitura no sentido da manutenção da vida”, assegura.