COVID: Não dá para ter Carnaval de rico e nem pobre em São Carlos no ano de 2022

Se a variante ômicron estava em mais de 92% das amostras enviadas para análise em São Carlos este é um claro sinal de que ela já é prevalente na cidade suplantando a delta. O que se sabe até o momento? Que a ômicron contamina mais pessoas, se é mais leve ou não, os cientistas e médicos estão avaliando, o fato é que com mais casos, a chance de colapso do sistema de saúde passa a ser real novamente, pois não teremos espaços para todos.

Portanto, não é errado dizer que neste momento não podemos pensar em carnaval em São Carlos e em qualquer lugar do Brasil. Uma festa tão bacana e que é a cara do país terá que ficar para o ano que vem mais uma vez, afinal de contas ela implica em aglomeração justamente num momento em que os casos estão subindo por conta desta nova variante.

Não podemos fazer em carnaval em São Carlos quer seja na rua para os mais pobres, nas praças e centros comunitários ou para os ricos em clubes chiques da cidade, não é o momento, pois a saúde é um bem coletivo e nesta fase da pandemia precisamos pensar em todos. Se a pessoa for pobre ou for rica e tiver contato com o vírus e se infectar ela precisará de atendimento público ou privado. Neste caso, o paciente pode chegar até o equipamento de saúde e o mesmo estar lotado, o que ela fará?

É o momento de exigirmos que as pessoas se vacinem, busquem completar o ciclo, tomem as doses de reforço necessárias para que esse pesadelo da ômicron fique para trás, mas sabemos que a vacina não evita a contaminação, por isso é imperioso que os cuidados sejam mantidos neste momento da pandemia. Máscara e mãos limpas são fundamentais.

Se faz mister dizer que os trabalhadores do carnaval necessitam de apoio do Estado. Afinal de contas, há pessoas que vivem da festa, que tem comércio e atividades que são ligadas ao carnaval e que sem a realização da mesma serão extremamente prejudicadas, por isso é importante que o governo entre nessa situação propondo soluções para estes milhares de brasileiros.

Infelizmente, São Carlos ainda não venceu o vírus, sequer está testando assintomáticos, já relatei muitas vezes a luta de pessoas que buscam testes para sua família, pois estão infectadas e dão com a cara na porta. Por isso, é hora de pensarmos na saúde coletiva e por isso o carnaval do rico e do pobre precisa ficar para o ano que vem.

Renato Chimirri