Cresce número de mulheres em busca de qualificação na indústria de games

Setor ainda tem maioria do sexo masculino, porém, as mulheres ganham cada dia mais espaço por se dastacar mais com organização e criatividade, qualidades femininas, que são cada dia mais exigidas pelas empresas

O mercado de games é um dos setores que mais cresce no mundo.  A expectativa, até 2023, é que o setor cresça 7,2%, chegando a quase R$ 1 trilhão por ano, de acordo com a consultoria especializada Newzoo. Além disso, jogar games não é, só, coisa de “menino”: dados apresentados pela  Pesquisa Game Brasil (PGB), as mulheres já representam 53% dos gamers, ou seja, estão cada vez mais inseridas neste universo. 

Entretanto, pesquisa apontam que o espaço ocupado por desenvolvedoras de games ainda é tímida:  das 14 maiores empresas globais de jogos, apenas 24% dos cargos são ocupados pelo sexo feminino. Um outro estudo, realizado pela consultoria IDC (International Data Corporation), aponta que apenas 5,8% das pessoas que ocupam cargos de desenvolvedores são mulheres.

Diante disso, o mercado tem se movimentado para mudar um pouco este cenário. De acordo com a Abragames, já existem alguns movimentos para mudar a realidade e ajudar na ampliação de inclusão de mulheres, como certificações e selos para empresas que apoiam a diversidade por meio de contratação. 

De acordo com Rogério Felix, diretor de formação e desenvolvimento de games da ZION – considerado como uma das principais escolas na formação de desenvolvedores games – ,durante a pandemia, o número de mulheres buscando a qualificação em games, teve um aumento considerável, “ Nos últimos dois anos, a presença feminina em nossas unidades cresceu 15% e acreditamos que este número possa aumentar ainda mais”, estima o executivo

A pandemia possibilitou uma maior aceleração do crescimento no mercado de games. Somente no Brasil, este número foi superior a R$10 bi em 2021, com alta de 5% em relação ao ano anterior, colocando o país líder em receita no setor na América Latina e o 12º no ranking mundial. Isso mostra o quanto as empresas estão em busca de desenvolvedores para atender a demanda de público. 

A profissão de desenvolvimento de games é promissora com uma enorme procura e demanda de mercado para pessoas que estão devidamente qualificadas. “O setor de games, tem qualificado muitos profissionais e mesmo com esse grande desenvolvimento, ainda não é o suficiente para a área, pois empresas já reclamam da mão de obra”, diz Felix.

Quebra de Paradigma

O crescimento do público feminino nos games tem causado um forte impacto, pois elas vem conquistando muito espaço e um importante evento foi realizado no mundo dos E-sports, sendo um deles o primeiro torneio da Fifa feminino da América Latina, realizado pela Women Up Games, que é voltado para a inclusão das mulheres. 

Em meio a tantas oportunidades que a ZION proporciona aos seus alunos, Thaina Gama de Souza (27), ganhou o campeonato ZION Connection que trouxe grandes resultados para sua vida, como a oportunidade trabalhar, por dois meses, na maior produtora de games da America Latina, chamada Kokku, localizada em Recife. “A ZION contribuiu para a mudança da minha vida profissional. Temos que viver novas experiências e a ZION e Kokku me ofereceram isso e eu estou agarrando com unhas e dentes.” 

Sobre a Zion: Com mais de 10 mil  alunos formados desde 2015, a ZION conta com nove unidades próprias, nas cidades de Niterói, Alcântara, Duque de Caxias, Campo Grande, Madureira, Rio de Janeiro (Tijuca), Belo Horizonte, Contagem e São Paulo. Com mais de 500 colaboradores, o Grupo ZION conta com 12 marcas, como a Creative Week, ZLabs, ZGames, Overloader, entre outras.