Djalma defende punição aos “fura-filas”, mas pede vacinação: “Não podemos perder doses!”

Djalma pediu punição para quem furou a fila

O vereador Djalma Nery (PSOL) segue no trabalho de apuração do “fura-fila” das vacinas contra a COVID em São Carlos. Ontem, 2, ele expôs sua opinião sobre o caso. “Em São Carlos temos cerca de 500 “inconsistências” identificadas dentre as quase 15 mil pessoas vacinadas até aqui. Tenho certeza de que grande parte são erros de digitação ou pequenos equívocos técnicos/operacionais que rapidamente serão sanados. Mas parte certamente é composta por vacinações irregulares, de pessoas que realmente não deveriam ter sido imunizadas, por não fazer parte dos grupos prioritários, mas foram. O primeiro passo é fazer a triagem nessa lista de inconsistências”, disse.

Segundo Djalma, as pessoas furaram a fila e os responsáveis precisam encarar sanções. “Uma vez identificadas as reais irregularidades, vacinado, vacinador e autorizante devem ser multados nos termos da lei estadual já aprovada e que aguarda regulamentação do Governo do Estado de São Paulo. Certamente a ineficácia da comunicação do poder público em todos os níveis é patente, mas do ponto de vista jurídico ninguém pode alegar ignorância ao infringir alguma norma ou lei. Subentende-se que é responsabilidade de todos e todas estarem à par das leis e códigos que regem a vida em sociedade. Então a co-responsabilidade pelo ato infracional deve ser partilhada por todos e todas que o cometeram”, afirmou.

O vereador disse que indicou ao prefeito Airton Garcia que as pessoas, estando ou não na lista, precisam da vacinação. “Por último, a nossa sugestão ao poder executivo municipal (que é quem decide como operacionalizar a vacinação) é que não deixe de vacinar ninguém dentro do prazo dos 28 dias, estando ou não na lista de inconsistências, sendo ou não irregular, para que doses da vacina não sejam perdidas e a eficácia da imunização seja garantida.  Se posteriormente ficarem comprovadas as ilicitudes, que seja aplicada multa ou outra sanção pertinente, mas o foco, agora, deve ser imunizar o maior número de pessoas possível. E não podemos perder doses. E claro, trabalhar para corrigir os erros e garantir a lisura absoluta na aplicação da vacina daqui em diante. Essa é nossa posição e opinião sobre o caso, lembrando que cabe ao poder executivo decidir e encaminhar o assunto”, finalizou.