DR entre Câmara e Prefeitura: Lucão e Marquinho dizem que Prefeitura não pode deixar o “trem descarrilhar”

A sessão legislativa desta quarta, 13, foi marcada por críticas de vereadores ao governo municipal. Lucão Fernandes (MDB) e Marquinho Amaral (PSDB) fizeram falas importantes na tribuna da Casa de Leis onde desabafaram sobre a relação do Executivo com o Legislativo Municipal.

Lucão afirmou que o MDB decidiu com responsabilidade apoiar o governo Airton Garcia. “Na primeira gestão fizeram muitas obras, não foi apenas o recape das ruas, mas coisas marcantes para a cidade”, destacou.

O vereador ponderou que Airton Garcia pode trabalhar uma gestão melhor que a primeira, pois tem base partidária para isso. “Ele tem apoio para fazer uma gestão de sucesso, a caneta está em suas mãos para ditar os rumos de São Carlos, mas digo que não podemos perder essa sintonia e harmonia entre os partidos”, ressaltou.

Segundo ele, o governo Airton não pode descartar partidos que conduziram o atual prefeito para o governo em detrimento de outras siglas que podem se achegar ao Paço Municipal (veladamente o vereador falava do prestígio do MDB, seu partido, na atual gestão). A fala de Lucão foi uma referência as decisões de exonerações realizadas pela Prefeitura e que tem desagradado os vereadores. “O poder está nas mãos do prefeito, mas ele tem que conduzir, manter a aliança e andar junto até o final deste mandato, não podemos brincar de Prefeitura Municipal, não há como rachar, dividir, não é o momento de quebrar as pontes, pois são elas que fazem com que colhamos frutos e ajudemos a cidade”, diz.

O vereador disse que o legislativo nunca sinalizou guerra contra a Prefeitura, mas sim paz, pois o objetivo é construir uma sociedade melhor. “Faço esse apelo para que o executivo pense, pois queremos continuar juntos, estamos prontos para ajudar a governar São Carlos, temos a incumbência de dar esperança para as pessoas e essa responsabilidade não vem apenas do legislativo, mas sim do executivo, só se fez recape porque autorizamos, queremos ajudar a construir uma administração melhor”, enalteceu.

Marquinho

Marquinho Amaral disse que a Câmara precisa ser respeitada. “Temos vereadores de todos os partidos e ideologias, não são pessoas oriundas de outros locais que vão tentar mandar neste parlamento, aqui temos vereadores compromissados e independentes”, salientou o vereador.

O vereador disse que esta quarta, 13, é o dia da volta da ditadura militar em São Carlos. “Ou você faz o que eu quero ou está fora das ações de benefícios para a cidade, já disse que essa Casa é plural, com ideologias e necessita ter hombridade, independência e até buscar uma harmonia com a Prefeitura”, disse.

De acordo com o tucano, “parece que as pessoas que ajudaram o primeiro governo Airton foram isoladas, não há mais diálogo entre a Prefeitura e a Câmara”. Ele citou a falta de diálogo e enalteceu a figura do Secretário de Governo, Edson Fermiano.

Marquinho afirmou que a Prefeitura virou um zoológico. Cotado no passado para o SAAE, considerado um dos calcanhares de Aquiles da atual gestão, o vereador disse que não nasceu dentro da autarquia. “O vereador Bira, que hoje não está aqui na sessão, fez uma denúncia sobre compra de peças na Prefeitura, isso necessita de uma sindicância, isso precisa ser apurado”, criticou.

Segundo Marquinho, dois funcionários de carreira foram afastados de suas funções neste caso das peças. Ele aproveitou para cobrar o Secretário de Trânsito e Transportes, Antonio Clóvis Pinto Ferraz, o Coca.

Ele lembrou do Caso da São Carlos Ambiental e que foi convidado a fazer parte da comissão de sindicância que investigava eventuais irregularidades sobre o assunto. “Apuramos irregularidades e anunciaram que iriam multar a empresa, a empresa foi multada?”, perguntou.

Marquinho falou que o governo atual não pode deixar o trem descarrilhar, como ele alertou no mandato do ex-prefeito Altomani. “O maquinista precisa ser bom para que o trem não vá para o precipício”, alertou.