Ensino Médio de São Paulo: 89% dos estudantes da rede pública estadual manifestam interesse nos itinerários formativos

Currículo mais flexível promove o protagonismo estudantil, através da oferta de conhecimentos específicos, conforme interesse individual

Mais de 376 mil estudantes da 1ª série do ensino médio da rede pública estadual manifestaram interesse nos itinerários formativos do ensino médio de São Paulo. Com os dados obtidos via Secretaria Escolar Digital (SED), as escolas estaduais terão mais subsídios para definirem os aprofundamentos curriculares no decorrer deste ano. Na prática, a oferta desses conteúdos será realidade para a 2ª série, a partir do ano que vem.

Com a proposta de um currículo mais flexível, o ensino médio de SP promove o protagonismo estudantil, através da oferta de conhecimentos específicos, conforme interesse individual. Além de contribuir diretamente para o desenvolvimento do Projeto de Vida, oferece a possibilidade de aprofundamento em uma ou duas áreas e, consequentemente, melhor formação para o mercado de trabalho e ingresso no ensino superior.

Informações da Coordenadoria Pedagógica da Secretaria da Educação do Estado (Seduc-SP) apontam que a participação geral do público-alvo foi de 89%, acima da meta de 80% estipulada no começo do processo, em março. Enquanto isso, 94% – ou 3430 escolas – registraram participação acima dos 70%.

A área de conhecimento em Linguagens foi a mais citada entre os estudantes. A opção, com 56%, liderou a relação entre as quatro opções disponíveis no processo, encerrado no último dia 15. Na sequência, apareceram Ciências Humanas (44%), Matemática (34%) e Ciências da Natureza (30%).

Durante a manifestação de interesse, os estudantes tiveram que priorizar suas preferências entre 10 possibilidades de aprofundamento curricular. Quatro delas nas áreas de conhecimento (Linguagens, Matemática, Ciências Humanas e Ciências da Natureza) e seis opções integradas, que apresentam combinações entre elas (Linguagens e Matemática, Linguagens e Ciências Humanas, Linguagens e Ciências da Natureza, Matemática e Ciências Humanas, Matemática e Ciências da Natureza, além de Ciências Humanas e Ciências da Natureza).

Individualmente, a relação das primeiras opções foi liderada pelo aprofundamento integrado Linguagens e Ciências Humanas (Cultura em movimento: diferentes formas de narrar a experiência humana), com quase 99 mil interessados. Na sequência, apareceram Linguagens (#SeLiganaMídia) e Matemática (Matemática Conectada). Entre as segundas opções, destaque para Ciências da Natureza e Matemática (Meu papel no Desenvolvimento Sustentável).

A adesão estudantil foi celebrada pelo Secretário Estadual da Educação, Rossieli Soares. “São informações importantes para que a escola consiga oferecer todo o apoio necessário para a realização de muitos projetos de vida”, disse. “A formação proposta nos aprofundamentos curriculares vai permitir que os nossos jovens estejam mais capacitados para enfrentar os desafios do século 21”, emendou.

A autonomia no processo de aprendizagem para colaborar na escolha individual também foi comentado por Rossieli. “Precisamos mudar esse conceito de que o ensino médio é preparatório para o vestibular. É, antes de tudo, uma preparação para a vida, para aprofundar conhecimentos específicos, consolidar o aprendizado e precisa ser auxílio para realização de sonhos e também para o mercado de trabalho. As possibilidades têm que ser múltiplas neste momento. O sucesso do projeto de vida de cada um nem sempre ocorre via universidade”, acrescenta.

“Os estudantes passam a ser protagonistas das suas próprias escolhas. São conhecimentos específicos, que ampliam o desenvolvimento integral e permitem o aprofundamento em áreas de mais interesse”, afirma Gustavo Mendonça, gestor do Novo Ensino Médio.

Grécia e tecnologia: Protagonismo na realização de sonhos

O ensino médio de São Paulo já é realidade para 460 mil estudantes da 1ª série do ensino médio, através da oferta dos componentes do Inova Educação – Projeto de Vida, Eletivas e Tecnologia e Inovação. Dois deles, em especial, da Escola Estadual Eliza Rachel Macedo de Souza, em Guaianazes (Diretoria de Ensino Leste 2), estão certos que a oportunidade de definir o que estudar, conforme aptidões e interesses individuais, pode ser o primeiro capítulo de uma grande história.

Apaixonada pelo meio ambiente, em especial mares, oceanos e a vida aquática, Melissa Kiany sonha em ser bióloga marinha e desbravar o mundo. A jovem de 16 anos, que se inscreveu nos Itinerários das áreas Ciências da Natureza, já tem um destino certo. “Quando eu me formar, sonho em conhecer a Grécia. É um país com uma natureza incrível. Gostaria de trabalhar por lá e vivenciar a cultura”, revelou. As aulas de Projeto de Vida foram importantes no processo de escolha atual. “São conversas onde não existe diferença entre professores e alunos. Somos todos amigos, que dividimos pensamentos e experiências. Isso ajudou muito nessa autodescoberta”, disse.

E para chegar longe é preciso superar os desafios. Companheiro de sala de Melissa, Ítalo Ferreira, 17, encontrou na tecnologia uma grande inspiração para o futuro profissional. Com a base adquirida nos componentes curriculares propostos pelo Inova, o jovem optou pelos itinerários da área da Tecnologia da Informação. “É uma área que eu me identifico muito, principalmente pelo uso diário do celular, que me auxilia em muitas tarefas da rotina escolar”’, contou. Ítalo lembra que os ensinamentos repassados e divididos em sala de aula vão além do aspecto pessoal. “Somos da periferia, e sei que vamos ter que superar algumas barreiras. Os professores nos passam confiança e coragem para não desistir dos nossos objetivos, mesmo se tudo parecer difícil”, resumiu.

Mais aulas por semana

A partir de 2022, ocorre a ampliação das aulas semanais. A 2ª série do período diurno passará de 35 para 40 aulas (8 por dia). Enquanto isso, 1ª e 2ª séries do noturno terão 33 aulas (hoje, são 25). Em 2023, as 3ª séries também passam pela mudança. O diurno contará com 40 aulas e o noturno com 33 aulas.