Estado de SP terá fumaça de queimadas e risco de “chuva escura”

Fumaça no céu de São Carlos

Imagens de satélite desta terça-feira, 15 de setembro evidenciaram focos de calor, que é indicativo de queimadas, e diversas pontos do estado de São Paulo. Estes focos aumentaram bastante desde o início de setembro e só no dia 13, pelo monitoramento do INPE – Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais – foram contabilizados 538 focos de calor no estado de São Paulo. No período de 1 a 14 de setembro São Paulo teve 1520 focos de calor, quase o dobro do que foi registrado durante todo o mês de setembro de 2019.

Apesar deste aumento ser expressivo, não dá para comparar com os focos de calor ativos no Pantanal, por exemplo. O bioma como um todo, pelo monitoramento do INPE teve 5300 focos de calor no período de 1 a 14 de setembro de 2020.

 

Fumaça pode aumentar sobre SP

Já temos focos de fogo em diversos pontos do estado de São Paulo e a fumaça produzida por estes focos já estão espalhada pelo estado. Porém, durante a quinta-feira,17 de setembro, a chegada de uma frente fria ao litoral paulista vai mudar o fluxo de ventos no centro-sul do Brasil, direcionando no sentido do Mato Grosso do Sul para São Paulo. Isto vai fazer com que parte da fumaça do Pantanal seja transportada para São Paulo.

Assim, podemos esperar por um aumento da fumaça sobre o estado de São Paulo na quinta e na sexta-feira, 18 de setembro, vinda em parte de Mato Grosso do Sul.

 

O aumento da cobertura de fumaça vai favorecer a maior interação deste material particulado com a luz do sol aumentando a chance de termos aqueles tons alaranjados, avermelhados, muito bonitos no por do sol no estado de São Paulo.

 

Mas é preciso esclarecer que não vamos ter aqui, nos estados da Região Sudeste, a visão do céu de São Francisco e de outras cidades da costa oeste dos Estados Unidos, onde a quantidade de fumaça é muito maior do que temos em estados como São Paulo, Rio de Janeiro ou Minas Gerais.

Com o aumento das condições para chuva no fim de semana, com a chegada de uma grande frente fria sobre a Região Sudeste, o efeito da camada de fumaça será menos perceptível. Esta frente fria deve provocar chuva em todo o estado de São Paulo durante o próximo fim de semana, 19 e 20 de setembro.

 

 

 

Risco de chuva escura

Dependendo da quantidade de fumaça que for transportada na quinta ou sexta-feira para o estado de São Paulo, não se poderia descartar a chance de repetição do fenômeno da “chuva escura”, semelhante ao que se viu em algumas cidades do Rio Grande do Sul no fim de semana passado, e também como a cidade de São Paulo registrou no ano passado, no evento do dia 19 de agosto de 2019.

 

Além do estado de São Paulo, é possível que ocorra um aumento da camada de fumaça até a próxima sexta-feira sobre o áreas do estado do Rio de Janeiro, especialmente no centro-sul do estado, incluindo a cidade do Rio de Janeiro, sobre a região do centro-sul de Minas Gerais e do Triângulo Mineiro.

 

Sobre a Climatempo

Com solidez de 30 anos de mercado e fornecendo assessoria meteorológica de qualidade para os principais segmentos, a Climatempo é sinônimo de inovação. Foi a primeira empresa privada a oferecer análises customizadas para diversos setores do mercado, boletins informativos para meios de comunicação, canal 24 horas nas principais operadoras de TV por assinatura e posicionamento digital consolidado com website e aplicativos, que juntos somam 20 milhões de usuários mensais.

Em 2015, passou a investir ainda mais em tecnologia e inovação com a instalação do LABS Climatempo no Parque Tecnológico de São José dos Campos (SP). O LABS atua na pesquisa e no desenvolvimento de soluções para tempo severo, energias renováveis (eólica e solar), hidrologia, comercialização e geração de energia, navegação interior, oceanografia e cidades inteligentes. Principal empresa de consultoria meteorológica do país, em 2019 a Climatempo uniu forças com a norueguesa StormGeo, líder global em inteligência meteorológica e soluções para suporte à decisão.

A fusão estratégica dá à Climatempo acesso a novos produtos e sistemas que irão fortalecer ainda mais suas competências e alcance, incluindo soluções focadas nos setores de serviços de energia renovável. O Grupo segue presidido pelo meteorologista Carlos Magno que, com mais de 35 anos de carreira, foi um dos primeiros comunicadores da profissão no país.