Estimativas indicam redução na produção de milho de segunda safra

Milho: baixa na produção/Foto: Patricia Prasniewski - Laranjeiras - Paraná

Que ano difícil para o produtor. Começou com o plantio mais tardio da história e continuou com as lavouras se desenvolvendo sob Clima irregular em abril e maio.

Para fechar, três ondas sucessivas de frio, a primeira em 29 de junho, a segunda em 20 de julho e a última nos dias 29 e 30 de julho, resultaram em geadas severas no Paraná, Mato Grosso do Sul e São Paulo . Essas características muito peculiares levaram duas equipes extras do Rally da Safra a percorrer, na segunda quinzena de julho, as principais regiões produtoras para atualizar os números de safra divulgados ao final do roteiro regular, em 24 de junho.

No campo, os técnicos avaliaram as condições do milho mais tardio e os danos causados pela geada. Resultado: um novo corte de 4,4 milhões de toneladas, reduzindo a estimativa de produção feita pela Agroconsult, organizadora do Rally da Safra, de 65,3 milhões para 60,9 milhões de toneladas- uma quebra de 20,6% sobre a safra anterior, quando foram produzidas 76,7 milhões de toneladas.

“Normalmente, julho é um mês de poucos acontecimentos para a segunda safra, quando a colheita se aproxima do fim e a produtividade das lavouras está praticamente definida. Esta temporada, porém, está sendo completamente diferente”, diz André Debastiani, coordenador da expedição.

A primeira equipe extra percorreu o Mato Grosso, Goiás e Minas Gerais de 20 a 25 de julho. As avaliações de campo indicaram que as estimativas de produtividade estavam adequadas, a não ser pela necessidade de um ajuste para 46,4 sacos por hectare (52% abaixo da safra anterior) nas lavouras de Minas Gerais, mais prejudicadas pela seca do que se esperava.

Mato Grosso manteve a produtividade de 94,5 sacas por hectare (14% inferior à safra passada) e Goiás permaneceu com 67,8 sacas por hectares (queda de 35%).

Após a geada, o que acontece com o trigo?

O segundo grupo rodou pelo Mato Grosso do Sul e o Paraná de 26 de julho a 1º de agosto, com foco principalmente em averiguar os problemas causados pela geada, também resultando em revisões negativas. Em relação ao fim de junho, as estimativas de produtividade foram revistas para 43,7 sacas por hectare no Paraná (48% menos do que em 19/20) e 42,7 sacas por hectare no Mato Grosso do Sul (queda de 49%).

A projeção para a produção de milho segunda safra, divulgada em janeiro, no início do Rally, era de 83,9 milhões de toneladas. Os bons preços no mercado doméstico estimularam tanto o crescimento de área de 9,3% sobre a safra 19/20, chegando a 14,7 milhões de hectares, quanto a disposição dos produtores em aumentar os investimentos em tecnologia nas lavouras.

A estiagem de abril e maio e a sucessão de geadas causou perdas de mais de 23 milhões de toneladas.

“O grande problema dessa safra não foi a geada, que costuma ocorrer nessa época, mas sim o atraso no plantio que fez com que as lavouras estivessem em estado crítico de desenvolvimento quando as ondas de frio ocorreram”, afirma Debastiani.

Como planejar uma safra e monitorar sua fazenda?

Otimizar o plantio, ficar de olho no Clima para avançar com os trabalhos no campo e observar o desenvolvimento da cultura para evitar perdas são algumas das decisões que você produtor rural precisa tomar durante a safra.

O Agroclima Pro é um serviço de tecnologia da Climatempo que utiliza o conhecimento meteorológico. Com ele você pode acessar o histórico de dados de Clima para sua fazenda e pode detectar áreas com menor vigor vegetativo. Além disso, você fica sabendo como será a demanda hídrica da sua lavoura nos próximos 15 dias e ainda consegue identificar os melhores dias e horários para realizar as pulverizações.

Sobre a Climatempo

Com solidez de 30 anos de mercado e fornecendo assessoria meteorológica de qualidade para segmentos estratégicos, a Climatempo é sinônimo de inovação. Foi a primeira empresa privada a oferecer análises customizadas para diversos setores do mercado, boletins informativos para meios de comunicação, canal 24 horas nas principais operadoras de TV por assinatura e posicionamento digital consolidado com website e aplicativos, que juntos somam 20 milhões de usuários mensais.

Em 2015, investiu na instalação do LABS Climatempo, no Parque Tecnológico de São José dos Campos (SP), que atua na pesquisa e desenvolvimento de soluções para tempo severo, energias renováveis (eólica e solar), hidrologia, comercialização e geração de energia, navegação interior, oceanografia e cidades inteligentes. Em 2019, a Climatempo passou a fazer parte do grupo norueguês StormGeo, líder global em inteligência meteorológica e soluções para suporte à decisão, e dois anos depois, em 2021, uniu-se à Somar Meteorologia, formando a maior companhia do setor na América do Sul. A fusão das duas empresas impulsiona a Climatempo a ser protagonista global de fornecimento de dados e soluções para os setores produtivos do Brasil e demais países da América Latina, com capacidade de oferecer informações precisas de forma mais ágil e robusta.

O Grupo Climatempo segue presidido pelo meteorologista Carlos Magno que, com mais de 35 anos de carreira, foi um dos primeiros comunicadores da profissão no país.

Foto cedida pela Climatempo.