Estrela de Belém poderá ser vista hoje depois de 397 anos

Hoje, dia 21 de dezembro, haverá a conjunção entre Júpiter e Saturno. O horário do fenômeno será às 11h da manhã, mas a grande proximidade entre os dois planetas pode ser vista desde a noites do dia 16 e vai até o dia 26. Júpiter e Saturno estão muito próximos aparentemente no céu e podem ser vistos a oeste logo após o pôr do Sol.

Em 2020, a conjunção foi batizada de Estrela de Belém, por causa da época de Natal e da tradição de que a estrela que guiou os três Reis Magos (Melchior, Baltazar e Gaspar) até o lugar do nascimento de Jesus. Eles fugiram de Herodes Antipas que queria matar Jesus por invejá-lo e presentearam o Menino com ouro, incenso e mirra.

Essa proximidade dos dois planetas é tão grande que ambos e seus principais satélites poderão ser observados no mesmo campo da ocular de um telescópio entre 19 e 23 de dezembro. No instante da conjunção a distância angular entre os dois planetas (a diferença em declinação) será de apenas 6 minutos de arco e a olho nu não será possível distinguir os dois, um do outro.

Astrônomos, astrônomos amadores e em especial os astrofotógrafos de todo o mundo farão belíssimos registros desse fenômeno  espetacular que só voltará a se repetir em 31 de outubro de 2040, ocasião em que Mercúrio será também visível no mesmo campo focal junto com Saturno e Júpiter e que a distância angular entre Júpiter e Saturno será de 1 grau.

Em 14 de março de 2080 novamente haverá uma conjunção de Júpiter e Saturno com uma distância angular tão pequena quanto a de agora, de 6 segundos de arco. Mas, tanto em 2040 quanto em 2080 os planetas estarão muito próximos do sol, dificultando ou impossibilitando a observação. A última vez em que uma conjunção dos dois planetas ocorreu com tal proximidade foi em 16 de julho de 1623.

A próxima conjunção entre planetas será em 11 de fevereiro de 2021 quando haverá uma conjunção de Vênus com Júpiter, os dois planetas mais brilhantes do céu. Essa conjunção será de difícil visualização porque os dois planetas serão visíveis a leste, muito próximos do horizonte e em horário próximo do nascer do Sol.

Com informações do Observatório Nacional