Estudantes estão sofrendo com abordagens na Alameda das Gardênias

Cruzamento da Avenida São Carlos com a Alameda das Gardênias

Um estudante que preferiu não se identificar entrou em contato com o São Carlos em Rede para contar que a situação na região da Alamedas das Gardênias no Cidade Jardim não anda fácil.

Ele explicou que a abordagem de estranhos e até a perseguição tem sido frequente. “Você pode estar indo a pé no supermercado, fazendo uma caminhada, indo em algum lugar para qualquer afazer cotidiano e sempre, quase sempre, tem abordagem”, disse.

Segundo ele, já aconteceram até casos de perseguição ou então da pessoa ser observada como uma espécie “alvo fácil” para um futuro assalto. “Alguns observam você na rua, se comunicam com outros, é a sensação de estar sendo observado”, ressaltou.

De acordo com o rapaz, um dia ele voltava de bicicleta pela Alameda das Gardênias quando notou que um outro cidadão o perseguia também de bicicleta. “Eu mudei de caminho, dei uma volta, andei por outros locais, para depois entrar na minha casa que fica nas imediações, procurei fugir para que a pessoa não me visse, mas não sei se isto ocorreu, temos muito medo”, ponderou.

A situação é complicada, pois a Praça Independência que fica em frente o velório municipal é palco de andarilhos e desocupados e muitas vezes essas pessoas também fazem abordagens na região. “Sempre tem alguém pedindo alguma coisa”, diz.

Ele explicou que na medida do que é possível, a PM e a GM fazem o seu trabalho, mas ele acredita que a situação vai além de se buscar prender pessoas. “Acho que é um problema estrutural, essa região precisa de uma política pública que dê algum alento, porque quando tem ocorrência acionamos autoridades, porém eles são detidos, as vezes soltos e depois surgem outras pessoas, tenho muitas amigas que tem medo, que já foram abordadas, é uma situação bem difícil em toda essa região do Cidade Jardim, falo das Gardênias porque é a rua mais movimentada no bairro”, ressalta.

Em uma breve passagem pela região é possível notar que realmente há um problema social que precisa ser sanado e isso poderá acontecer com uma política efetiva da Prefeitura para a área.

Foto: Maurício Duch