Fechar a UBS do Fagá pode ser um desastre político para o atual governo municipal

UBS do Fagá: polêmica à vista

Sabe aquele momento do jogo em que o técnico faz uma substituição e o Casagrande comenta na Globo: “Eu acho que ele mexeu errado!” Então, falar em fechamento da Unidade Básica de Saúde (UBS) do Maria Stella Fagá nesse momento é um erro político do atual governo que precise ser coordenado de maneira mais eficaz.

Veja bem, ontem, 26, durante a sessão legislativa a Prefeitura apanhou “em pé e deitada” dos vereadores por causa de problemas na área de saúde, sendo que o primeiro deles é a falta de um secretário ou secretária efetivos para a pasta. Por enquanto, há uma interina na função desde que Marcos Palermo “deu linha na pipa”. O discurso dos vereadores pegou a falta de medicamentos, médicos e infraestrutura deixando o governo municipal em uma situação profundamente delicada.

Diante desses problemas ainda surgiu a questão dessa “readequação”, querer concentrar duas Unidades de Saúde da Família no prédio onde hoje está a UBS do Fagá. Isso representará, segundo a Prefeitura, economia financeira para São Carlos, mas convenhamos, algumas pessoas também serão penalizadas ou não? No caso, os usuários da UBS do Fagá que, segundo dizem as pessoas, é ótima e uma das melhores da cidade.

Acredito que otimizar o atendimento e economizar pode ser bom, a intenção da Prefeitura é unir o útil ao agradável e assim ter um atendimento robusto no prédio onde está hoje a UBS do Fagá, entretanto a estrutura de saúde em São Carlos neste momento está raquítica, precisando tomar um biotônico Fontoura para ver se fica mais forte e fechar uma UBS nesta altura do campeonato soa como descaso para quem já está sofrendo bastante.

Os entendidos de política da Prefeitura precisam analisar o que fazem e como fazem, não se pode simplesmente ir lá no Fagá e fechar a unidade. O governo tem que ouvir as pessoas, ver se isso será bom para o povo e também conversar e explicar seus pontos de vista para a população. Custa fazer isso? Ou é pedir muito? Ainda estamos em uma democracia apesar das notórias tentativas golpistas de alguns chinfrins que estão por aí.

Se a Prefeitura quer corrigir rumos é momento de nomear alguém de maneira efetiva para a área de saúde e pensar a política de uma forma mais clara e vertical, porque qualquer ruído na cidade se vira contra quem está no governo.

Ou o povo ainda não percebeu que este segundo mandato do atual prefeito precisa dar uma boa melhorada antes de entrar em qualquer polêmica? Escrever a gente escreve, se vão dar alguma atenção, daí são outros quinhentos…

Renato Chimirri