Filme gravado em Araraquara conta a história de bailarina que segue trabalhando mesmo com doença terminal

O diretor Guilherme Bonini lança o filme “Lágrima Negra em Pele de Loba” nesta quinta-feira (09), às 20 horas, na plataforma digital Vimeo (www.vimeo.com). Com roteiro, montagem e coordenação geral também de Bonini, o curta-metragem conta a história da bailarina Luzinete, que segue realizando seu trabalho em meio à luta contra uma doença fatal.

A personagem central se divide entre o aprisionamento social interno e a liberdade artística externa e passa por conflitos expressos através do corpo e da mente, em uma transgressão entre fantasia e realidade.

O universo onírico é um campo familiar na obra de Guilherme Bonini, mas a ideia para essa produção em especial veio em sonhos, pesadelos e de sua própria experiência de vida.

“O roteiro parte de algo que vivi com meu pai, e percebi como o câncer terminal pode apresentar uma ruptura consciente e proporcionar escolhas que trazem consequências conflituosas e inesperadas. Luzinete vive esse estado da dualidade de forma introspectiva. O filme retrata o entrecruzamento do seu inconsciente e da sua realidade”, conta o diretor.

Ele ressalta que o projeto nasceu a partir de uma conversa com o diretor teatral Adriano Reali, que o apresentou à bailarina que viria a protagonizar sua nova produção.

“Após expor meu desejo de desenvolver um trabalho que envolvesse dança, tive a honra e a felicidade dele me apresentar a incrível e talentosa dançarina Luzinete Silva”, diz Bonini.

MISTURA

Com intensa produção desde 2012, e trajetória que inclui obras apresentadas no Brasil e na Europa, Guilherme Bonini viabilizou o filme “Lágrima Negra em Pele de Loba” por meio de edital premiado pelo Proac LAB 2020.

Após confirmado o projeto, o diretor reuniu parceiros de longa data e pessoas com quem não havia trabalhado. O objetivo dessa mistura foi articular diferentes profissionais, em momentos distintos de suas carreiras, para partilhar aprendizados em meio à vivência coletiva, exercitando a diversidade e a inclusão.

“Para esse trabalho, também pretendi trabalhar com não atores, pois a imersão e o acaso trazem resultados que me agradam muito. Sou muito grato à vivência que tivemos”, explica.

MORADA DO SOL

O filme foi gravado em Araraquara, cidade do interior de São Paulo onde o diretor, que nasceu na capital São Paulo, foi morar ainda criança. Em sua obra, ele faz questão de valorizar as paisagens da cidade, além do talento dos artistas locais.

“Gosto demais da Morada do Sol. Ela nos presenteia com uma beleza natural e uma luminosidade muito particulares. A cidade tem condições de sediar um polo cinematográfico. Minha intenção é cada vez mais contribuir para isso. A arte e cultura em Araraquara são riquíssimas. O cinema é uma indústria que movimenta cerca de 25 bilhões de reais ao ano e temos condições de fazer parte da indústria”, comenta.

APOIO

Guilherme Bonini acredita que o interior tem uma voz artística independente, que merece ser ouvida e expandida. Por esse motivo, ele ressalta a importância do fomento público como estímulo para a formação de profissionais da cultura na região.

“A Lei Aldir Blanc vem trazendo possibilidade de sobrevivência para artistas, em meio à crise econômica e sanitária da pandemia da covid-19. De maneira direta e indireta mais de 70 pessoas estiveram envolvidas no curta-metragem. O fomento em nossa cidade fortalece a identidade local, favorecendo a economia e a vida como um todo”, conclui o diretor.

Para assistir ao filme “Lágrima Negra em Pele de Loba”, basta retirar o ingresso gratuitamente na plataforma Sympla (www.sympla.com.br/lagrima-negra-em-pele-de-loba__1437300), que vai direcionar o espectador à exibição na Vimeo.

A equipe do filme vai bater papo online com os espectadores após a primeira exibição, nesta quinta-feira (09), e a última exibição, no dia 19 de dezembro. Para participar, basta acessar o link www.sympla.com.br/bate-papo-com-a-equipe—lagrima-negra-em-pele-de-loba__1438079.

Em breve, curta-metragem ganhará versões com interpretação em Libras e com audiodescrição.

SERVIÇO

Curta-metragem Lágrima Negra em Pele de Loba

Exibições Online, de quinta a domingo, sempre às 20 horas

1ª semana: dias 09, 10, 11 e 12 de dezembro

2ª semana: dias 16, 17, 18 e 19 de dezembro

Ingressos: www.sympla.com.br/lagrima-negra-em-pele-de-loba__1437300

Valores: ingressos gratuitos

Contato: lagrimanegramkt@gmail.com

Instagram: www.instagram.com/lagrimanegraempeledeloba

Site: lagrimanegraempeledeloba.com.br

Haverá bate-papo com a equipe logo após a exibição em dois dias:

1° dia de exibição – 09 de dezembro

Última exibição – 19 de dezembro

Link para o bate-papo: www.sympla.com.br/bate-papo-com-a-equipe—lagrima-negra-em-pele-de-loba__1438079

FICHA TÉCNICA

Lágrima Negra em Pele de Loba (Brasil, 2021; 15 min)

uma produção BONINI FILMES  

elenco LUZINETE SILVA ALEXANDRE JULIANETTI SABRINA KELLY MARIAH BONAZZI TALITA BONINI MARCY KITAMURA

preparação de elenco ADRIANO REALI

coreografia LUZINETE SILVA 

assistência de coreografia SABRINA KELLY

pesquisa DENNY NEVES 

direção de arte RAQUEL BONAZZI 

figurino e maquiagem ADRIANO REALI

ilustração e making of/still LEILA PENTEADO

comunicação AGÊNCIA SOUW

direção de fotografiaPAULO DELFINI

assistente de fotografia CÉSAR ALMEIDA

assistente de câmera LUCAS TANNURI

logger CASSIANO RAMOS

som direto e desenho de som WISLEY LUIZ

trilha sonora LUCIANO SALLES

montagem GUILHERME BONINI

1ª assistente de direção LÍVIA CABRERA

2ª assistente de direção LEILA PENTEADO

produção ALINE LOPES

produção executiva ALEXANDRE JULIANETTI 

roteiro e direção GUILHERME BONINI

Este projeto foi contemplado pelo Edital PROAC Expresso Lei Aldir Blanc 56/2020, pela Secretaria de Cultura e Economia Criativa do Governo do Estado de São Paulo e Governo Federal.

Conta com a produção da BONINI Filmes, também com o patrocínio da Sodiê Doces Araraquara, apoio da Universidade de Araraquara – UNIARA e parceria com o Stúdio Única Personal.

O DIRETOR

Guilherme Bonini nasceu em 1981, em São Paulo. Vive e trabalha no interior do estado, em Araraquara. Ele é diretor cinematográfico profissional, roteirista, montador e produtor. Sua formação acadêmica é de mestre em narrativa cinematográfica / imagem e som pela Universidade Federal de São Carlos – UFSCAR.

O cineasta atua no cruzamento entre o cinema, videoarte, teatro e fotografia. Como desdobramento desse interesse em criar e produzir projetos culturais independentes, criou a Bonini filmes em 2011.

As realizações envolvem diferentes linguagens na elaboração de conteúdo independente. Sempre objetivando contar histórias, a missão do diretor é provocar sensações por meio da imagem, buscando a inovação estética e narrativa, além do prazer da experimentação.

Com produção intensa desde 2012, o artista teve obras apresentadas no Brasil e Europa, participou de exposições como Coletivo Brasil e ministrou workshops em Portugal, durante a residência artística: “Arte ao Centro” na cidade de Torres Vedras, Portugal.

Dentre suas obras destacam os curtas-metragens:

O Flâneur (2021);

O Espaço do não ver (2020) – prêmio de melhor curta-documentário no 4° Filma Bauru;

Memórias (2019) – foi selecionado na mostra competitiva de Curtas Internacionais no 13th Brazilian Film Festival (LABRFF), selecionado na mostra The Lift-Off Sessions promovido pelos estúdios Pinewood em Londres; selecionado no Shot@Fringe, festival de cinema em Azores, em Portugal; selecionado na Mostra Entre Olhares – Mostra do Cinema Português em Barreiro, Portugal e no Festival FESTCINE Pedra Azul, em Pedra Azul ES, e agora em 2021 passou pela Europa em alguns festivais como o Marmostra – Marés Curtas, Bitesize Film Festival e o Lisbon Film Rendezvous;

Lua (2019) – selecionado para o Festival de animação BANG AWARDS 2020;

2067 (2017) – premiado na 6° Mostra Wallace Leal e selecionado na mostra The Lift-Off Sessions promovido pelos estúdios Pinewood em Londres;

Passagem (2017) – instalação exibida na Galeria de Arte em Torres Vedras, Portugal;

Frente a Frente (2015) – selecionado no Festival FIM e na mostra The Lift-Off Sessions promovido pelos estúdios Pinewood em Londres;

Rupturas (2014).

Os longas e médias-metragens de documentário:

Entre Livros e Lençóis – retratos da prostituição universitária (2014);

Mecânica Dos Solos + Roberto Menescal – Brazilian Jazz Live – DVD (2012);

Retratos do Carnaval (2011);

Juntos (2011);

AFE – A história de um acesso (2010) e a peça/filme Marias (2006) realizada com o apoio do Sesi – Araraquara.