Foi perto de casa e um comerciante honesto se foi e todos choram

Ele tinha 64 anos

Antes mesmo de São Carlos se refazer da tragédia da queda do helicóptero que matou dois profissionais da aviação civil, na sexta presenciamos um cruel assalto na esquina da Fagundes Varella com a Raimundo Correa. Nele, a vítima foi o respeitado comerciante Isildo Rodrigues Terra, 64 anos, que estava trabalhando em seu comércio.

Seu Isildo faleceu ontem, 6, depois de ficar internado na Santa Casa. Ele é mais uma vítima inocente da violência que assola São Carlos e demais cidades do mesmo porte em SP. Ele é mais uma vítima de simplesmente querer trabalhar e da profusão de roubos e assaltos que vemos saltar aos olhos por aí. Uma triste realidade, mas que pode atingir a todos nós.

O local onde aconteceu este triste fato é meu caminho, sempre passo por ali e durante à noite dá medo de cruzar a região porque parece que sempre tem alguém pelas imediações que poderá lhe abordar de alguma forma. Infelizmente, o senhor Isildo foi a vítima da vez e hoje sua família e amigos estão entristecidos pelo seu falecimento fruto da desmedida sanha por matar e assaltar que assola algumas pessoas.

Essas ocorrências terríveis, tristes e inaceitáveis só nos fazem lembrar como a sociedade brasileira está desestruturada, o crime se tornou meio de vida há anos e o Estado pouco faz para tentar reverter essa lógica perversa.

Aqui na Vila Marcelino, Jardim Ricetti e demais bairros da região as pessoas vivem com medo. Temos registros de assaltos durante o dia, à noite e dos mais diversos tipos: pessoas são abordadas ao entrar em casa, ao sair ou são surpreendidas com ladrões dentro de suas casas. Há algum tempo, invadiram uma casa, na madrugada, entraram na cozinha, surpreenderam um morador e judiaram muito do mesmo. Um outro senhor, já aposentado, que gostava de ficar em frente de sua residência olhando o movimento também foi rendido, apanhou dos marginais e a família simplesmente mudou de bairro. Por aqui, depois das 19h não é aconselhável andar na rua, pois vemos andarilhos de todos os tipos caminhando pela região e em muitos casos promovendo abordagens.

Nada do que se escrever acalentará o coração da família do senhor Isildo, mas como imprensa temos que registrar essa barbaridade que lhe fizeram e pedir por justiça, que seu algoz seja preso e pague pelo crime. Que a segurança dessa região de São Carlos seja olhada por quem é da área com outros olhos.

Quando alguém que mora ou trabalha no seu bairro morre desta maneira tão violenta e covarde é como se uma pessoa da sua família, do seu próprio sangue, tivesse morrido também. Estamos todos em luto e queremos justiça!

Renato Chimirri