Homenagem: Temos que lembrar do Kallenus sempre sorrindo

Que lembremos sempre de sua alegria

Sempre sorrindo! É assim que devemos sempre nos lembrar do Kallenus Caravetta que nos deixou nesta quinta-feira, 18. Seu falecimento é uma triste notícia para a comunidade são-carlense, pois perdemos grande parte de nossa alegria e simpatia. Somente pelas manifestações das redes sociais é possível perceber o quanto ele era querido por uma cidade inteira e por pessoas de outras localidades também.

A partida é muito dolorida, sobretudo para a família, pois ficam muitas histórias de amor, superação, amizade e carinho que jamais serão suplantadas, por isso cabe a todos aqueles que tinham o Kallenus como amigo serem o suporte nesse momento de dor, afinal certamente essa seria a sua atitude.

No mundo de hoje, com tantos problemas, com tantas tragédias, manter um sorriso no rosto, ser amigo e solidário não é fácil, é muito difícil, para uma pessoa como o Kallenus isso era tirado de letra como costumamos dizer na gíria. Almas nobres, mentes boas, fazem falta para qualquer comunidade, afinal nestes tempos tão esquisitos que vivemos as boas pessoas são como um bálsamo em cima de uma dor, elas aplacam, acalmam ou então nos remetem para um local de felicidade, nos tiram daquele dia ruim quando conseguem arrancar um sorriso do nosso rosto que está carrancudo por conta dos percalços da vida.

Eu não tenho um pingo de dúvida que o Kallenus Caravetta é insubstituível e fará muita falta em São Carlos, pessoas assim são únicas e por onde passam deixam esse caminho de luz interminável que sempre serve para guiar outras pessoas.

O ano de 2020 tem sido marcado por muitas perdas, por tristezas incalculáveis e se faz fundamental neste momento tão delicado que todos que gostavam do Kallenus possam reunir forças para continuar seguindo em frente e honrando seu legado, afinal de contas as grandes pessoas eles não se vão por completo, elas permanecem naquilo que plantaram junto a outras e como diria Santo Agostinho:

Eu sou eu, vocês são vocês.

O que eu era para vocês,

eu continuarei sendo.

Me deem o nome

que vocês sempre me deram,

falem comigo

como vocês sempre fizeram.

Vocês continuam vivendo

no mundo das criaturas,

eu estou vivendo

no mundo do Criador.

Por Renato Chimirri