HU UFSCar tem ambulatório para pacientes que sofreram com AVC


O Hospital Universitário da UFSCar (HU-UFSCar/Ebser/MEC) iniciou, em setembro, o ambulatório na Linha de Cuidados ao Acidente Vascular Cerebral (AVC). O atendimento é voltado a pacientes que tiveram qualquer doença cerebrovascular nos últimos seis meses.

De acordo com Milena Carvalho Libardi, neurologista do HU e responsável pelo ambulatório, o AVC atualmente é a segunda causa principal de mortalidade no mundo e no Brasil, perdendo apenas para as doenças cardíacas, mesmo durante a pandemia de Covid-19. “É a primeira causa de morbidade e sequelas de origem não traumática em pacientes de todas as faixas etárias. O AVC causa um enorme impacto socioeconômico-psicológico nas famílias e na sociedade”, complementa Libardi. 

Acidente Vascular Cerebral

O AVC pode ser do tipo isquêmico, causado por falta de fluxo sanguíneo porque um trombo (coágulo) está impedindo a passagem de sangue para as demais áreas do cérebro, ou pode ser hemorrágico, quando há ruptura de um vaso arterial ou venoso ou de um aneurisma cerebral. “No cérebro existem também veias e a trombose venosa na cabeça também faz parte das doenças cerebrovasculares, assim como o Ataque Isquêmico Transitório (AIT), que as pessoas chamam de ‘princípio de derrame’ ou ‘princípio de AVC’. O AIT se caracteriza quando o paciente abre um quadro de origem súbita e neurológica, mas que se reverte totalmente em 24 horas”, explica a neurologista do HU. 

O AVC pode causar sequelas motoras, sensoriais, comportamentais, visuais, de linguagem e cognitivas de maneira irreversível. Manter o controle de doenças silenciosas como pressão alta, colesterol alto, diabetes, além de controlar a ingestão de bebida alcoólica, praticar atividade física, ingerir alimentos saudáveis e cessar o tabagismo são hábitos que podem ser mantidos para evitar o problema. 

Ambulatório do HU

O ambulatório de Linha de Cuidados ao AVC começou a ser ofertado no HU no último dia 30 de setembro e tem como objetivo oferecer um cuidado multiprofissional a quem que já sofreu AVC. O ambulatório conta com o apoio da Unidade Saúde Escola (USE) da UFSCar e de outras áreas da Universidade e recebe pacientes encaminhados pela rede pública de saúde. “Esses pacientes sofreram AVC e ficaram com sequelas ou precisam de investigação sobre a origem da doença cerebrovascular. A doença pode recorrer se não for tratada adequadamente, e trazer mais sequelas ou risco de sequelas maiores ao paciente”, destaca Libardi.

A neurologista aponta que, no futuro, a ideia é criar uma Linha de Cuidados ao AVC de maneira integrada no município em que o paciente seja atendido desde a fase aguda da doença até a fase de reabilitação e inserção na sociedade. “O ambulatório foi criado com o objetivo de estudar o impacto do AVC em São Carlos e região e as melhorias que podem ser empregadas em um atendimento mais interativo com a rede de saúde da cidade, proporcionando uma melhora da qualidade de vida dos pacientes e orientação melhor aos cuidadores”, conclui Milena Libardi. 

Dia Mundial do AVC

A data de 29 de outubro é Dia Mundial do AVC e, para conscientizar a sociedade sobre a doença, o HU-UFSCar promoverá na quinta-feira (28/10) a live “Acidente Vascular Cerebral: da fase aguda a reabilitação”. A atividade tem início às 15 horas, com transmissão pelo canal do HU no YouTube (www.youtube.com/HUUFSCar), e é aberta ao público. 

Serão quatro palestras moderadas por Thiago Russo, docente do Departamento de Fisioterapia da UFSCar e gerente de Ensino e Pesquisa do HU. A primeira intervenção – “Reabilitação Neurológica intra-hospitalar do AVC: a experiência do programa do Hospital Estadual Américo Brasiliense” – será conduzida por Kamila Santos Ferreira, neurologista do Hospital Estadual Américo Brasiliense e da Unidade de Emergência do Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto da USP (HC-FMRP-USP). 

A segunda palestra discute “A telemedicina no atendimento de fase aguda do AVC – como esse suporte revolucionou o tratamento do AVC nos hospitais” e será ministrada por Rui Kleber do Vale Martins Filho, neurologista assistente do HC-FMRP-USP. O tema “Fisioterapia nos pacientes com AVC: da internação à reabilitação ambulatorial” será apresentado por Jussara Almeida de Oliveira Baggio, fisioterapeuta especialista em Fisioterapia Neurofuncional Adulto e docente do curso de Medicina da Universidade Federal de Alagoas (UFAL), campus Arapiraca.  

A última palestra da live abordará a “Implementação da Linha de Cuidados do AVC de maneira integrada e multidisciplinar” e será conduzida por Milena Carvalho Libardi, do HU. 

Futuramente serão ofertadas capacitações para toda a equipe do HU para o atendimento e o envolvimento de toda a rede de saúde e sistema pré-hospitalar, como o SAMU, que é o principal aliado no tratamento da doença na fase aguda. “Minutos salvam vidas no AVC, quanto mais cedo o paciente chega ao hospital, maior a chance de reversão de sequelas. O treinamento da equipe pré-hospitalar em conjunto com o HU, além do envolvimento de toda a rede pública de saúde, é de fundamental importância para minimizar o impacto da doença em nossa cidade”, garante Libardi.