Incêndio gigante atinge Serras da região de São João da Boa Vista e Águas da Prata

Incêndios destroem a mata
Incêndios de grandes proporções atingem áreas de mata dos municípios de São João da Boa Vista e Águas da Prata, nas serras da Mantiqueira e da Paulista, há pelo menos cinco dias.

O Corpo de Bombeiros de São João da Boa Vista continua o trabalho de combate às chamas nesta quarta-feira (9), com a ajuda do helicóptero Águia da Polícia Militar. Por enquanto, não há informações sobre o tamanho das áreas atingidas.

Os moradores de São João da Boa Vista registram reclamações do incêndio por meio das redes sociais desde a última sexta-feira (4). A assessoria de imprensa de Águas da Prata afirmou que o fogo começou no pé da Serra da Mantiqueira no sábado (5), na região do Paiol, bairro mais afastado da cidade, mas foi controlado.

Outro incêndio começou na Serra da Mantiqueira no domingo (6), e ficou mais intenso durante a segunda-feira (7) e permanece até o momento ameaçando as matas do Parque Estadual.

A atriz Giovanna Lancellotti fez um apelo nas redes sociais para pedir aeronaves equipadas para o combate ao incêndio em Águas da Prata. Ela está há vários dias no município, e relata que o fogo atinge áreas próximas há seis dias.

Ar seco

Uma grande e forte massa de ar seco está atuando de forma persistente sobre o Sudeste há vários dias. Além do calor intenso, índices críticos de umidade relativa do ar colaboram para que o fogo, ao atingir áreas de mata, se espalhe de forma muito rápida.

Segundo os meteorologistas da Climatempo, os próximos dias ainda serão marcados por tempo seco e quente sobre as serras da Mantiqueira e da Paulista, o que pode dificultar o trabalho do Corpo de Bombeiros no controle das chamas.

Por enquanto, a expectativa é de que duas frentes frias só passem pela costa do Sudeste a partir do dia 23 de setembro, mas a tendência é de pouca chuva, inclusive nas áreas atingidas pelos incêndios. No entanto, com a passagem dos dois sistemas, os índices de umidade relativa do ar devem voltar a ficar elevados em várias áreas do estado de São Paulo e de Minas Gerais, o que ajudará a aliviar a secura extrema do ar.

Sobre a Climatempo

Com solidez de 30 anos de mercado e fornecendo assessoria meteorológica de qualidade para os principais segmentos, a Climatempo é sinônimo de inovação. Foi a primeira empresa privada a oferecer análises customizadas para diversos setores do mercado, boletins informativos para meios de comunicação, canal 24 horas nas principais operadoras de TV por assinatura e posicionamento digital consolidado com website e aplicativos, que juntos somam 20 milhões de usuários mensais.

Em 2015, passou a investir ainda mais em tecnologia e inovação com a instalação do LABS Climatempo no Parque Tecnológico de São José dos Campos (SP). O LABS atua na pesquisa e no desenvolvimento de soluções para tempo severo, energias renováveis (eólica e solar), hidrologia, comercialização e geração de energia, navegação interior, oceanografia e cidades inteligentes. Principal empresa de consultoria meteorológica do país, em 2019 a Climatempo uniu forças com a norueguesa StormGeo, líder global em inteligência meteorológica e soluções para suporte à decisão.

A fusão estratégica dá à Climatempo acesso a novos produtos e sistemas que irão fortalecer ainda mais suas competências e alcance, incluindo soluções focadas nos setores de serviços de energia renovável. O Grupo segue presidido pelo meteorologista Carlos Magno que, com mais de 35 anos de carreira, foi um dos primeiros comunicadores da profissão no país.
Imagem de skeeze por Pixabay