Incêndio no Aracy: Quando Bombeiros e PMs rezam e uma cidade inteira chora

Um brinquedo na porta da residência

O impacto desta tristíssima notícia que tivemos na manhã desta terça, 2, do incêndio na rua Secondina Passador que vitimou quatro pessoas, sendo que duas crianças morreram é a pior tragédia deste ano de 2021, junto com os óbitos por COVID-19 em São Carlos.

Bombeiros rezam pelas vítimas

Não é possível imaginar a dor da família que sobreviveu a este infortúnio ao ver o que restou da moradia, bem como ao saber dos óbitos dos pequenos, não há quem não se emocione com isso.

A cena emblemática dos Bombeiros e Policiais Militares chorando e rezando aos pés da moradia onde aquelas crianças sofreram tamanha tragédia oferece a nós a exata dimensão humana do que é sentir a dor por um semelhante que é vítima de algo deste tipo. Não temos como imaginar o que esses profissionais que também tem suas famílias, portanto esposas, filhos, netos, sobrinhos e etc sentiram ao chegar para atender essa fatalidade.

A prece que fizeram é uma súplica a Deus pela vida das pessoas, vida essa tão banalizada nos dias atuais por atitudes violentas e por gente, por exemplo, que não é capaz de entender que no meio de uma pandemia tão mortal é fundamental que nos resguardemos para que evitemos novos óbitos.

Esses heróis que foram tentar salvar aqueles anjinhos na casa em chamas são pessoas que se expõem diariamente ao risco da COVID-19, mas eles estão aí, todos os dias dando o seu melhor para que na medida do possível nenhuma vida seja ceifada da sociedade. É verdade que nem sempre é possível salvar todas as pessoas, hoje, as crianças foram resgatadas, mas elas não resistiram e foram para a Casa do Pai.

Diante de uma tragédia deste tamanho é fundamental que façamos uma reflexão sobre a nossa vida, sobre como estamos agindo com as outras pessoas, sobre quais valores humanos estamos respeitando, sobre o que queremos para a nossa sociedade. Devemos lutar todos os dias para que nenhuma pessoa pereça numa tragédia como a que foi registrada no Cidade Aracy.

Não precisa ser pai ou mãe para sentir essa dor que vivenciamos hoje, basta apenas ser humano e acreditar que essas criancinhas tinham uma vida pela frente. Nesta terça, dia 2, uma cidade inteira chora a morte de inocentes e ao mesmo tempo que agradece aos membros das equipes de resgate por não se furtarem a dar de si mesmos para tentar aliviar o sofrimento alheio.

A humanidade ainda tem jeito, apesar dessas dores dilacerantes que sentimos como no dia de hoje. Chorar por esses anjos e a tônica desta terça e pedir luz eterna para quem resgata é a nossa obrigação fundamental.

Renato Chimirri

Fotos: Maurício Duch