Infelizmente, jovens estão morrendo de COVID em São Carlos

Essa semana foi muito triste para todos nós são-carlenses por conta das perdas para a COVID-19. Qualquer vida que se vai por essa doença é uma ferida irreparável, mas alguns fatos chamaram a atenção: tivemos o falecimento de uma moça de 23 anos e de dois rapazes de 27 anos por conta de complicações da COVID-19, o que comprova duas coisas: o vírus não leva para óbito somente pessoas mais velhas, bem como o governo federal foi incompetente e inútil por não comprar vacinas em agosto de 2020. Se tivesse feito isso, o processo vacinal teria avançado e possivelmente essas pessoas poderiam estar conosco se tivessem sido imunizadas.

Um outro fato que chama a atenção é que bailes, pancadões, churrasquinhos e festas em chácaras continuam acontecendo (quero deixar claro que não estou dizendo que esses óbitos citados acima ocorreram por isso, ao contrário, mas sabemos que muitas pessoas não estão levando as medidas de proteção a sério e se constituem em perigo para suas famílias). Essa semana mesmo a Força-tarefa interrompeu na região do Aracy um evento deste tipo e o mais estranho é que muita gente achou que o encontro não deveria ser interrompido. Queria saber em qual parte dos fatos esse pessoal esqueceu que estamos no meio de uma pandemia, que o Grande Aracy é o local com mais casos e que as UTIs de São Carlos estão lotadas. Será que esse povo vive em outro mundo?

Ontem, vi uma postagem de amigos se despedindo de um jovem que trabalhava num comércio da cidade. Ele perdeu a batalha para a doença, deixou sua família e um rastro de tristeza para quem fica, pois pelo que li ele tinha muitos planos e estava correto em projetá-los, pois essa era a idade ideal para isso. Mais uma vida interrompida por esse maldito vírus, mais uma família devastada e aqui expressamos nossas mais sinceras condolências a todos.

Nesta manhã, um leitor disse ao portal que em muitos condomínios de chácaras ainda temos festas, jogos de futebol e baladas, mesmo estas sendo proibidas em função da pandemia e lembro da declaração do secretário de saúde da cidade de Araras, Agnaldo Piscopo, numa entrevista para uma emissora de TV: “o contágio se dá na família agora, nas pequenas festas, porque não há grandes eventos neste momento!” Ele tem razão, grandes eventos, com exceção de clandestinos, estão todos suspensos.

Se nem a morte de jovens na faixa dos 23 aos 27 anos faz com que as pessoas entendam o perigo que é a COVID-19, o que mais precisa acontecer?

A Prefeitura no dia de ontem divulgou gráficos onde mostra que a faixa etária que tem mais casos positivos atualmente está entre 18 a 30 anos, seguida de 31 a 40 anos e 41 a 50 anos. Depois vem 51 a 60 e de 60 a 71 anos, quase não temos mais casos com maiores de 71 anos, numa prova de que a vacinação está fazendo efeito. Basta acompanhar o gráfico: