Mais chuva para o sul e a La Niña?

Como vai ficar o mês de dezembro na Região Sul? A Climatempo informa que o próximo mês deve ser mais chuvoso nesta área, inclusive com diversos pontos ultrapassando a média histórica. As perguntas que surgem na cabeça do leitor, que acompanha as notícias do nosso site, são as seguintes “Não estamos em La Niña? Então não deveria chover menos no Sul?”. Podem ficar tranquilos, vamos explicar tudo o que está acontecendo.

A resposta da primeira pergunta é sim, nós estamos sob influência do fenômeno climático La Niña, que é resfriamento anormal das águas do Oceano Pacífico Equatorial. Segundo as últimas atualizações dos órgãos de meteorologia internacional (Noaa, IRI) estamos, neste momento, com a presença de uma La Niña forte, com anomalia negativa de -1,3°C. Não significa que a La Niña será forte até o final do verão, a temperatura do Oceano deve começar a subir devagar já a partir da metade de dezembro.

E isso nos leva para a resposta da segunda pergunta: “Então não deveria chover menos no Sul?”. Para responder isso, consultamos a especialista no assunto Patricia Madeira, que nos disse o seguinte: “Há previsão de mais chuva para o Sul no mês de dezembro do que estamos observando nos últimos meses, o que não seria esperado em anos de La Niña, mas em termos de clima, precisamos sempre olhar para todas as possíveis influências: a La Niña não é o único fenômeno que influencia o Sul do Brasil.” A meteorologista explica o real motivo dessa chuva: “Tem modificações de temperatura acontecendo no Oceano Atlântico e no sul do Pacífico, por isso as frentes frias vão começar a passar com maior efetividade sobre o Sul, o que traz mais umidade.”

Sobre a Climatempo

Com solidez de 30 anos de mercado e fornecendo assessoria meteorológica de qualidade para os principais segmentos, a Climatempo é sinônimo de inovação. Foi a primeira empresa privada a oferecer análises customizadas para diversos setores do mercado, boletins informativos para meios de comunicação, canal 24 horas nas principais operadoras de TV por assinatura e posicionamento digital consolidado com website e aplicativos, que juntos somam 20 milhões de usuários mensais.

Em 2015, passou a investir ainda mais em tecnologia e inovação com a instalação do LABS Climatempo no Parque Tecnológico de São José dos Campos (SP). O LABS atua na pesquisa e no desenvolvimento de soluções para tempo severo, energias renováveis (eólica e solar), hidrologia, comercialização e geração de energia, navegação interior, oceanografia e cidades inteligentes. Principal empresa de consultoria meteorológica do país, em 2019 a Climatempo uniu forças com a norueguesa StormGeo, líder global em inteligência meteorológica e soluções para suporte à decisão.

A fusão estratégica dá à Climatempo acesso a novos produtos e sistemas que irão fortalecer ainda mais suas competências e alcance, incluindo soluções focadas nos setores de serviços de energia renovável. O Grupo segue presidido pelo meteorologista Carlos Magno que, com mais de 35 anos de carreira, foi um dos primeiros comunicadores da profissão no país.