Mais uma cidade da região confirma a presença da Variante Delta da COVID-19

Início do processo de infecção pelo patógeno. Registro do momento exato em que uma célula é infectada pelo novo coronavírus, obtido durante estudo que investiga a replicação viral do Sars-CoV-2 realizado pelos Laboratório de Morfologia e Morfogênese Viral e Laboratório de Vírus Respiratórios e do Sarampo, Instituto Oswaldo Cruz./Debora Barreto

Um novo estudo da Unesp com sequenciamento genômico de casos de covid-19 de pacientes de Porto Ferreira mostrou presença da variante Delta em cerca de 10% das amostras.

A Delta, presente em mais de 130 países e detectada pela primeira vez na Índia no final do ano passado, é uma das variantes do Sars-CoV-2 que apresenta mutações genéticas múltiplas que a tornam mais transmissível.

Não há, no momento, evidências suficientes para determinar se a variante é mais letal. Estudos apontam que as vacinas mostraram grande eficácia contra a Delta depois das duas doses.

As demais amostras analisadas apresentaram todas a variante Gamma (P.1), originária em Manaus. Não foi detectada nenhuma amostra com a variante P.4, derivada da P.1 e descoberta pela própria Unesp no primeiro semestre, o que pode ser também outro indicador da eficácia das vacinas.

A Secretaria de Saúde de Porto Ferreira, por meio da Vigilância Epidemiológica, vai continuar monitorando os índices de contágio e internações, em contato com os pesquisadores. No momento, os números seguem em ligeira queda.

Porém, diante da notícia da presença da variante Delta, as autoridades reforçam mais uma vez a importância de se seguir todos os protocolos sanitários, como o uso de máscara, a higienização com álcool em gel e o distanciamento social.