Marcos Palermo matou no peito e saiu jogando, será que fará o gol?

Palermo é secretário de Saúde

Não conheço pessoalmente o secretário de Saúde, Marcos Palermo, nunca conversei com ele, portanto tenho a liberdade de expressar essas linhas sem o peso de ter lhe entrevistado e conhecer seus hábitos. A decisão tomada hoje, 27, de não aceitar, por enquanto, o atendimento referenciado na Santa Casa é corajosa e mostra que o secretário tem comando de sua pasta. Todos sabemos que ser secretário na área da Saúde é um dos espinhos mais mortíferos que um ser humano pode suportar, contudo, Marcos Palermo mostrou que conhecia o “timing” necessário para agir nessa situação. Era agora ou o caos!

Como se diz no popular, Palermo matou no peito e saiu jogando e é disso que esse governo precisa, de alguém que dê as cartas numa hora dessa. Era nítido quando explodiu essa informação do atendimento referenciado (o famoso fechar as portas, no jargão popular) que a população em primeiro momento seria contrária à situação. Mesmo sob a égide da informação de que o procedimento seria para melhorar o atendimento, o povo, aquele que está lá na ponta da cadeia de necessidades se sentiu usurpado em seu seu direito de buscar ser recebido num equipamento público que faça parte do Sistema Único de Saúde.

E sabe por que? Vou dizer: porque a rede de saúde de São Carlos não é bem estruturada e aqui vai outro elogio para Marcos Palermo, pois ele reconheceu isso publicamente e demonstrou que sabe o tamanho do vespeiro que está em seu colo. Não basta, neste caso, apenas a Santa Casa querer adotar o procedimento do referenciamento se a rede pública não estiver preparada e o São Carlos em Rede foi o primeiro veículo de imprensa na cidade a mostrar isso num artigo de opinião.

De que adianta o “Seu João” ir até o SMU da Santa Casa, ser referenciado para uma UPA ou UBS, e chegar neste local e não conseguir a consulta médica? Pois bem, o referenciamento é o correto, o SUS para funcionar tem suas portas e eu não sou contra isso, contudo sou a favor da organização do sistema básico primeiro para que possamos pensar num referenciamento futuro, do jeito que está, simplesmente veríamos uma bomba explodir. Vale dizer que não estou condenando o trabalho da Santa Casa, ao contrário, reconheço os méritos, porém vejo o caso da ótica dos mais simples e assim urge que o município tome vergonha na cara e comece a estruturar as UBSs e UPAS para que possamos fazer o referenciamento.

Afinal, como referenciar o atendimento em São Carlos se a região leste não tem uma UPA? Esse foi outro pensamento que tive e vi Marcos Palermo afirmando que projeta pelo menos estender o horário de funcionamento de uma das unidades dessa região para que tenhamos uma guarida para a população. Outro ponto positivo são exames nas UPAS e determinados diagnósticos, o que ouvi do secretário me deixou esperançoso de ver que esse trabalho precisa ser feito, pode demorar, mas é uma grande necessidade para que assim possamos ter um sistema equânime e que atenda a todos sem distinção.

Eu espero sinceramente que o secretário Marcos Palermo tenha forças para colocar em prática o que demonstrou em sua entrevista, que não ceda a pressões de nenhuma categoria, quer seja de profissionais de determinadas áreas ou então políticas e que ele compreenda que se trabalhar bem e der resultados a imprensa será um dos seus mais poderosos aliados.

Palermo, você matou no peito, agora precisa cruzar na cabeça do centroavante. Só não pode ser o Borja, do meu Palmeiras, porque esse está em má fase. Contudo, não perca essa chance e faço o gol. O povo agradecerá!

Renato Chimirri

Foto: Reprodução EPTV