Marquinho Amaral manifesta pesar pela morte de Luiz Carlos Pereira de Almeida, fundador da Sobloco

O empresário Luiz Carlos Pereira de Almeida era “Cidadão Honorário de São Carlos”

O vereador Marquinho Amaral afirmou que o falecimento doempresário Luiz Carlos Pereira de Almeida,  fundador e diretor superintendente da Sobloco Construtora, na última quarta-feira (6) representou “uma enorme perda para o Brasil e particularmente para nossa cidade, que se despede de um empreendedor de grande visão, um homem com ideias e projetos à frente de seu tempo”. Ao apresentar moção de pesar na Câmara Municipal, Marquinho lembrou ter sido propositor da concessão do título de “Cidadão Honorário do Município” ao empresário, que recebeu a honraria em 1993 em sessão solene no Teatro Municipal de São Carlos.

 “Naquela oportunidade, rendemos justo tributo de gratidão a um empreendedor brilhante e grande parceiro do desenvolvimento de São Carlos”, disse o vereador. Natural de  São Paulo, formado em Engenheiro Civil pela Escola Politécnica da USP, Almeida fundou em 1958  a Sobloco, que se tornou referência em projetos de grande impacto urbano como o Parque Faber-Castell, que inclui o shopping Iguatemi em São Carlos, a Riviera de São Lourenço, em Bertioga, e o Espaço Cerâmica, em São Caetano do Sul, entre outros projetos.

Em São Carlos, o grupo mantém as fazendas Santa Cândica e Santa Adelaide, da Sobloco Agropecuária, que desenvolve notável programa de reflorestamento de eucaliptos – para indústrias de celulose, construção civil, atividades rurais e linha de produção de energia –  e possui expressiva produção de leite tipo B destinado a indústrias processadoras.

Luiz Carlos Pereira de Almeida era conselheiro nato do Secovi-SP (Sindicato da Habitação de São Paulo) e foi presidente da Fiabci-Brasil (Federação Internacional Imobiliária) de 1995 a 1997 e de 2006 a 2010. Em 1991, como diretor de relações internacionais da Fiabci Mundial, criou uma das principais premiações mundiais do setor imobiliário, o Prix d´Execellence (Prêmio de Excelência).

Almeida deixa a esposa Vera, com quem era casado havia mais de 60 anos, e seis filhos, entre os quais Luiz Augusto, que atualmente está frente dos negócios da empresa. A moção de Marquinho será apreciada na sessão da Câmara nesta terça-feira (12) quando será observado um minuto de silêncio em homenagem à memória do empresário.