Médica de Matão relata de maneira impressionante como foi sofrer com a Covid-19

Médica relatou experiência

A médica Aline Volpato fez um relato sobre como é ter Covid-19. Sua publicação nas redes sociais viralizou na internet. A profissional ficou oito dias internada no Hospital Carlos Fernando Malzoni em Matão. Confira o texto:

Linha de frente!

Quem me conhece sabe que sou médica e atuo nas unidades de urgência e emergência, ou seja, porta de entrada. Tenho 30 anos!!!!!!

Começou com tosse seca, mal estar, dor de cabeça e perda do olfato. É a COVID19. Não é possível, nem começaram os casos na região e eu já peguei? Peguei! Foram 8 dias de internação, 12 dias de febre que a partir do terceiro dia não respondia mais a medicação via oral. A falta de ar piorava a ponto de não poder me mexer no leito, nem se quer virar o pescoço. Usando oxigênio o tempo todo. Banho? No leito. Escovar dentes? No leito. Pentear cabelo, impossível. Passava um filme na minha cabeça e meu coração aflito o tempo todo. Visitas? Não pode. Fiquei isolada todos os dias. Meus pais e as pessoas da minha vida sofrendo de longe sem ter o que fazer. Sendo médica, eu sabia das reais circunstâncias de forma patológica, da gravidade da doença. O meu conforto foi e é DEUS, ele agiu. Os dias foram passando lentamente, bem lentamente e a solidão naquele quarto comigo o tempo todo. Nesses momentos você se interroga por diversas vezes sobre tudo. A melhora iniciou no 5 dia de internação. Desde o início de tudo os anjos já apareceram, meus amigos de profissão ajudando no possível e impossível, médicos da clínica que foram maravilhosos, as técnicas de enfermagem, que sem dúvida foram as que mais dividiram o seu amor, carinho e cuidado comigo, assim como os fisioterapeutas. Não há dinheiro nesse mundo que pague o amor que recebi. As correntes de orações e mensagens de carinho, só me fortaleceram.
Hoje estou recuperada quase 100% e com tranquilidade no coração. Só tenho a agradecer a todos e a Deus. Eu sai mudada dessa.


Resolvi relatar esse episódio para dizer que o VÍRUS não escolhe, não distingue, então FICA EM CASA. Não sabemos se em você terá a forma grave. Eu não tenho nenhuma doença de base e tive a forma grave. Cuide de quem você ama. Obedeça as orientações da OMS (Organização Mundial de Saúde) e MS (Ministério da Saúde), assim como as autoridades e especialistas.


Não foi uma gripezinha!