Menino de 6 anos morre após ser picado por escorpião

Bryan tinha seis anos/Foto: Redes Sociais

Um garotinho de apenas seis anos morreu na Santa Casa de Jaú depois de ser picado por um escorpião em Barra Bonita. Ele foi sepultado no dia de ontem, 15, naquela cidade. Bryan Gabriel Alves reclamou de dor no pé durante à tarde enquanto brincava no quintal da casa de sua família no Nova Barra. Neste lugar, seu pai achou um escorpião e ele foi levado para o Hospital e Maternidade São José de Barra Bonita.

O menino foi atendido e transferido para Jaú, pois o hospital não possui soro contra a picada de escorpião. Segundo a direção do hospital, um documento enviado pelo Departamento Regional de Saúde de Bauru (DRS VI) em 2013 revela que o soro era disponibilizado para as Santas Casas de Dois Córregos (pela demanda na época) e de Jaú (o hospital de referência na região). Ao que consta, apenas em Jaú existe medicamento.

Em Jaú, o menino chegou a ser medicado, mas infelizmente morreu na tarde de sábado. O diretor do hospital da Barra Bonita José Luiz  Minutti disse que retornou de viagem no sábado à noite, porém não teve acesso à ficha de atendimento do paciente, bem como ao atestado de óbito para saber se a morte dele realmente foi causada pela picada de escorpião.

Nas redes sociais, muitos moradores de Barra Bonita reclamam da infestação de escorpiões, inclusive em pontos turísticos da cidade.

Numa nota, a Prefeitura de Barra Bonita afirma que organiza uma campanha de combate a escorpiões: “A prefeitura lamenta profundamente essa fatalidade da morte da criança, supostamente por picada de escorpião. Barra Bonita não vive uma infestação, porém, tem aumentado o aparecimento de escorpiões, a administração está realizando desde o dia 9 a campanha Meu Bairro Limpo, onde o poder público ajuda a população a limpar suas residências e, em contrapartida, limpa os espaços públicos”, explica.

A Prefeitura afirma que fez a dedetização de áreas como o cemitério e que está comprando mais veneno para aplicação e bloqueio em outras áreas.

Com informações do Jornal da Cidade