Não é o momento para o referenciamento de atendimento na Santa Casa de São Carlos

Será inevitável como o próprio presidente da Câmara, Lucão Fernandes (MDB), afirmou hoje em discurso: mais dia, menos dia, o referenciamento de atendimento na Santa Casa chegará como em muitos outros hospitais. Ou seja, o hospital não será mais “portas abertas” e passará a atender apenas com o encaminhamento da rede municipal de saúde via UPA, por exemplo, SAMU ou por uma central de regulação. Isso já acontece em outros locais onde a rede de saúde tem uma estrutura melhor.

A pergunta que fica é a seguinte: qual a avaliação que se tem da rede de saúde de São Carlos para se propor esse referenciamento do atendimento no hospital? Se faz e pronto? A rede de saúde local está capacitada para ser a porta de entrada para quem precisa de um atendimento mais complexo, onde essa triagem poderá ser feita? Suponho que no momento isso ainda não é possível, especialmente pelo que ouvimos dos vereadores e também de pessoas da área de saúde, por isso é muito importante acontecer um trabalho de estruturação da rede (é verdade que ele pode demorar um tempo, porém isso não é problema da imprensa, e o mesmo precisa ser feito) com o objetivo de dar condições para que o referenciamento funcione como uma linha, ou seja, a pessoa chega na unidade de saúde, seu problema é detectado, ela precisa ser encaminhada para a Santa Casa e isso é feito sem maiores problemas. Num mundo ideal, esse processo parece lindo, mas estamos falando de locais que normalmente estão apinhados de gente, onde as vezes existem grandes problemas no atendimento, sem contar que estamos diante uma emergência sanitária violentíssima que é a COVID-19.

Analisando friamente, apenas para a imagem da Santa Casa esse referenciamento não cairia bem neste momento da vida cotidiana brasileira e são-carlense, depois o próprio meio político tem se movido para que isso não aconteça agora. Eu sempre ouvi de ministros, secretários da saúde estaduais e municipais que entrevistei que o Sistema Único de Saúde (SUS) é o sistema de consenso, por isso é preciso que o haja, de fato, neste momento importante para que uma atitude que sabemos que acontecerá não seja realizada agora, quando os ânimos da população estão combalidos por esse problema da COVID-19.

Precisamos saber da Prefeitura Municipal quando a rede estará estruturada para que possamos dar esse passo importante na mudança da filosofia do atendimento para as pessoas. Entretanto, neste momento, não creio que seja a hora para modificarmos o sistema, o povo está sofrendo e amedrontado.

Que as pessoas de bem que estão na Prefeitura e na Santa Casa cheguem num consenso daquilo que é melhor para a cidade de São Carlos, a saúde tem que ser prioridade sempre.

O repórter pediu um posicionamento da Santa Casa sobre o assunto, mas ainda não o recebeu. Se ele vier, será publicado neste mesmo link.

 

Renato Chimirri