Delegado divulga nomes e detalha crime em ritual satânico em Lomba Grande

“Este crime também nos choca como policiais. Rituais satânicos no Brasil não são novidades, mas esse crime causa impacto pela estupidez, é macabro”, foi assim que o diretor do Departamento de Polícia Metropolitana, Fábio Motta Lopes deu início a coletiva de imprensa na manhã desta segunda-feira, 8, na sede da 3ª Delegacia de Polícia Regional Metropolitana de São Leopoldo. Na ocasião, o delegado Moacir Firmino, responsável pela Delegacia de Homicídios de Novo Hamburgo divulgou detalhes e os nomes dos integrantes do ritual satânico que vitimou duas crianças em Lomba Grande.

Segundo o delegado Moacir Firmino, os envolvidos nesta barbárie já foram identificados através da materialidade das provas coletadas durante as investigações. Quatro, dos sete envolvidos já estão preso, enquanto há três foragidos já com pedido de prisão preventiva decretado.

Além de documentos que comprovam que os envolvidos se conheciam, há também documentos que provam a sociedade dos empresários que teriam encomendado o ritual.

O delegado fala que através de um mandato de busca e apreensão, foram pegos pedestais e cordas que teriam sido utilizados para amarrar as vítimas, além de encontrados centro de um cofre na casa do bruxo, a capa que ele teria usado no ritual e uma máscara de cachorro.

(Foto: Marcella Trindade)

Entenda o caso

No dia 04 de setembro de 2017, os corpos de um menino e uma menina de 8 e 12 anos, respectivamente, foram encontrados esquartejados na região de Lomba Grande, em Novo Hamburgo. Inicialmente, um morador do entorno teria feito a denúncia após encontrar pedaços dos corpos das vítimas.

Foram encontrados naquele momento treze partes dos corpos das crianças. A partir daí, teve início a Operação Revelação, que buscava elucidar o crime e encontrar as demais partes dos corpos das vítimas. No dia 18 de setembro, cerca de 300 metros do local onde foram encontrados os primeiros membros, outras partes foram encontrados, faltando apenas as cabeças.

Durante a investigação, a polícia chegou à conclusão de que as crianças foram vítimas do chamado ‘ritual de prosperidade‘, ritual realizado em um templo em Gravataí. O mesmo teria sido encomendado por dois empresários que teriam pago a quantia de R$25 mil reais, à vista, para que um ‘bruxo’ realizasse a magia.”Para este tipo de ritual, há exigência de que as crianças sejam irmão de sangue”, explica Firmino.

Ainda, segundo o delegado Firmino, não há um exame de DNA que comprove a identidade das crianças. Além do exame, não haveria denúncia de dois irmãos desaparecidos e nesta faixa etária em todos os Estados da Federação, que hoje, possuem cerca de 2.000 crianças desaparecidas da rede pública e estadual.. Devido a estas informações e ao envolvimento de um argentino na seita, chegou-se a conclusão de que as crianças vieram de Corrientes, na Argentina.

O argentino envolvido seria casado com uma brasileira, teria antecedentes criminais e já seria um foragido no país vizinho. Conforme a polícia, ele é discípulo do bruxo e estava morando no bairro Lomba Grande, tendo passado por outros Estados antes de se instalar em Novo Hamburgo.

Já as crianças, teriam sido trocadas por um caminhão branco roubado e drogas. A perícia aponta que a menina possuía sinais de defesa, tendo sido torturada minutos antes do esquartejamento. Já o menino, possuía elevado valor de álcool no sangue, apontando 5,2 decigramas de álcool por litro de sangue. “Este valor, se comparado ao permitido pela legislação de trânsito brasileira (0,33 decigramas) é o equivalente a coma alcoólico”, explica Firmino.

As investigações apontam ainda que o ritual teria sido realizado para prosperidade imobiliária, para que a venda de um terreno em Lomba Grande fosse efetuada.

Os envolvidos

Segundo o delegado, quatro envolvidos no ritual já estão presos. Há três integrantes que seguem foragido e que já estão com prisão preventiva decretada.

Estão presos:

Sílvio Fernandes Rodrigues, bruxo responsável pelo ritual.

Jair da Silva, conhecido como Jair sem Terra, seria um dos empresários que encomendou a seita.

Andrei Jorge da Silva, filho de Jair que teria participado do ritual, e

Márcio Miranda Brostolin, último envolvido a ser identificado.

Continuam foragidos:

Anderson da Silva, outro filho de Jair que estaria envolvido no ritual.

Paulo Ademir Norbeti da Silva, sócio de Jair, também responsável pela encomenda da seita.

Jorge Adrian Alves, o argentino.

Para o delegado, o mestre e bruxo responsável pelo ritual é uma referência no país e na América Latina em termos de magia negra. Diversas pessoas já teriam sido vítimas de ritual satânico e, possivelmente, das mãos de Sílvio Fernandes.

(Foto: Divulgação)

A Operação Revelação e seu nome

Segundo o delegado Moacir Firmino, “foi uma revelação de dois profetas de Deus que ajudaram a encontrar a solução do caso, por isso, o nome da Operação é Revelação”.

As “revelações”, explica o delegado Moacir Fermino, acontecem quando Deus Se comunica com Seus filhos. Fermino diz que a verdade sobre o caso foi uma “revelação” enviada por Deus a ele e aos policiais, por isso o nome da operação.

Ele alega que os profetas não podem ser revelados e que não são testemunhas do crime.

(Foto: Marcella Trindade)