Nuvem prateleira é observada no interior de SP

Foto: Ariane Caldeira - Guapiaçu - SP -

Imagens em fotografia feitas hoje às 6h30 da manhã, pelas produtoras rurais Ariane e Ariele Caldeira, conhecidas como as Agromeninas, de Guapiaçu, no interior de São Paulo mostram uma extensa faixa de um tipo de nuvem chamada de nuvem prateleira.

 

O que é nuvem prateleira?

 

O fenômeno é velho conhecido dos meteorologistas: se chama shelf cloud (ou “nuvem de prateleira”) e, na maioria dos casos, antecede uma tempestade. Esse tipo de nuvem é geralmente curvo ou semicircular e possui várias “camadas” na direção horizontal – como se fosse uma prateleira – que são formadas quando uma camada de ar mais quente se sobressai sobre uma camada de ar mais frio.

 

Ela já é uma nuvem de vento forte e que anuncia um temporal. A nuvem Prateleira está dentro de um sistema que chamamos de frente de rajada.

Foto: Ariane Caldeira – Guapiaçu – SP –

Como se forma a nuvem prateleira?

A nuvem geralmente se forma na frente de uma tempestade quando um ar frio desce de dentro da nuvem e segue em direção ao solo. É a partir dessa nuvem prateleira que o ar frio desce da nuvem para o solo e se espalha na superfície, em alta velocidade, dando origem aos fortes ventos.

As nuvens prateleiras são formadas no choque massas de ar, geralmente durante a passagem de uma frente fria, afinal temos o ar mais frio, que é mais denso, avançando pelas camadas mais baixas da atmosfera e levantando o ar. Esse processo pode ser bem severo, quando temos choques fortes de massas de ar, e é nessas condições que temos a formação desse tipo de nebulosidade. Por esse motivo, é muito comum observar ventania em condições de nuvens prateleira, explica o meteorologista César Soares.

Portanto, uma nuvem de prateleira geralmente aparece na borda de uma tempestade e, é o melhor indicador de que uma tempestade está a caminho. Portanto, se você ver no céu, como foi o caso das Agromeninas, a nuvem prateleira, procure um abrigo.

 

Leia na íntegra e veja mais dos registros feitos pelas Agromeninas.

Fonte: Assessoria de Imprensa do Climatempo