O homem que representava o Papai Noel do meu bairro foi morar com Deus

Minha filha tem 9 anos e como toda a criança se encanta com o Natal, embora saiba hoje que o Papai Noel é uma lenda. Entretanto, entre os seus 3 até mais ou menos os 7 anos, ela acreditou que realmente os presentes de Natal vinham do Pólo Norte da famosa fábrica do Papai Noel que era comandada por seu elfos maravilhosos e duendes bagunceiros.

Porém, a Maria Antonia sempre achou que o Papai Noel morasse na rua de cima da minha casa. Sempre que passávamos perto de uma residência na Totó Leite com a Luiz Roher, a menina se encantava com os enfeites de Natal do lugar. Eram luzes muito bonitas que deixavam tudo alegre, feliz e encantado como tem que ser nesta época do ano.

Um dia ela me perguntou quem enfeitava aquelas plantas, quem colocava toda aquela alegria e eu respondi que isso era um trabalho da Mamãe Noel, esposa do Papai Noel. Ela me olhou e ficou encafifada querendo saber quem seria essa senhora que enfeitava toda aquele “pavão” anualmente.

Lembro que numa noite de sexta-feira estávamos descendo pela Totó Leite e a dita casa estava toda iluminada, cheia de cores, luzes e vimos que um senhor estava sentado ali fora olhando o movimento. Para uma criança de seis anos bastou, na hora minha filha falou: “Olha pai, é o Papai Noel!”

O homem, que realmente lembrava o Papai Noel na fisionomia, olhou com um jeito assustado e com aquela cara de que não estava entendendo nada. Continuamos nossa caminhada e outras vezes passamos por ali e sempre a Maria Antonia dizia que queria passar em frente da casa do Papai Noel. Isso acontece hoje, mesmo ela sabendo as verdades cruéis que esse mundo pode nos revelar, mas o carinho pelo “Santa Claus” permaneceu, sem ao menos nunca ter falado com ele.

Pois ontem, de maneira inesperada, ficamos sabendo que o Papai Noel aqui do meu bairro descansou, esteve doente e foi chamado à presença do Senhor. Contei para a Maria Antonia que isso tinha acontecido, ela ficou triste e disse que os “Papais Noeis” nunca deveriam morrer, porque eles representam a magia do Natal e que agora a Mamãe Noel (que por sinal também se chama Maria Antonia) precisará da ajuda da família e dos seus amigos para não deixar a tradição dos enfeites desaparecer durante o Natal, pois outras crianças como ela- disse a minha filha- precisam entender o significado mágico desse período tão importante para uma pessoa.

O Natal é isso, mesmo que em meio a perdas de entes queridos, deve sempre significar esperança de dias melhores, apesar de todo esse ano de 2020 ser uma tragédia nos seus mais diversos sentidos para todo o mundo, no mundo todo.

O Natal ainda tem esse poder de transformar e dar significado para uma reunião de família, mesmo que a família esteja menor fisicamente, pois espiritualmente ela nunca estará. Este tempo tem um poder mágico de modificar, de fazer do tronco seco nascer uma bela flor de esperança e amor e que embora nós tenhamos inúmeros defeitos cabe a nós regá-la para que no ano que vem ela possa estar viva e nos proporcionar nova esperança.

Assim, mesmo com o falecimento do Papai Noel, não podemos deixar esse espírito morrer, pois o Papai Noel, o da minha vizinhança e aquele que tem sua casa lá no Pólo Norte são imortais!

Feliz Natal, mesmo com a dor da perda, a luz raiará no outro dia. Descanse em paz, Papai Noel da minha filha!

Renato Chimirri