O são-carlense que aglomerou na praia neste fim de semana deve se preocupar

Lotou e o COVID-19 continua por aí...

As imagens correram o Brasil e deixaram o mundo perplexo. Em plena pandemia com mais de 120 mil mortos, com mil óbitos diários e a doença em plena expansão parece que o brasileiro normalizou as mortes e resolveu “se curar” nas águas salgadas de Netuno. As fotos mostrando o litoral de São Paulo e do Rio de Janeiro apinhados de pessoas são de dar desespero e também mostram que as autoridades brasileiras são incompetentes, mesquinhas e estão preocupadas apenas em fazer política em ano eleitoral. Como liberar praias agora?

Correndo as redes sociais, eu vi uma postagem da professora Maria do Carmo Cadei onde uma amiga da querida educadora vaticina: “Com certeza haviam são-carlenses aí!”

Fiquei pensando por alguns momentos e conclui que a jovem que escreveu o comentário tem toda razão. Não sei quantos eram, nem como foram ou por quanto tempo ficaram, mas certamente haviam são-carlenses no meio da multidão que decretou o fim da maior pandemia do século XXI que tem como principal “estrela” uma doença de contágio fácil e que pode matar os mais suscetíveis ao vírus.

Depois de observar o povo ignorando a pandemia fiquei pensando nos são-carlenses que aglomeraram nas praias e que ontem mesmo voltaram para as suas casas e encontraram idosos, crianças, esposas, maridos, namorados, irmãs, gente que pode ter comorbidades ou ser do grupo de risco e fiquei com a seguinte dúvida: eles dormiram com a consciência tranquila?

Ela (aquela que estava na praia no meio do povão) pode ser um paciente assintomático da doença, porém e as outras com as quais manteve contato? Ela não tem medo que estes peguem o vírus e desenvolvam este mal que ainda não tem uma cura certa e que pode deixar inúmeras sequelas para quem tem os sintomas da pior forma? Essas pessoas ainda não ouviram falar de amor próprio e também de amor para com seus irmãos? Ou trocaram tudo isso por um dia de sol, calor e contágio numa praia nem tão limpa assim para dizer que venceram a pandemia?

Esse pessoal ainda não acordou e não observou que a pandemia só declinará no Brasil a partir da vacinação em massa que deve começar em dezembro graças aos esforços do Instituto Butantan? Afinal é só observar que o isolamento social foi sabotado por aqui e em países que levaram isso a sério já há registros de uma segunda onda de COVID-19?

As cenas que vimos neste final de semana provavelmente tinham são-carlenses protagonizando o espetáculo e são essas mesmas pessoas que depois vem cobrar os governos para acabar com a corrupção e melhorar o SUS, mas quando eles são chamados a dar sua parcela de contribuição fazendo um lazer mais tranquilo sem aglomeração vão para a praia participar do Lual do Covidão 2020.

Fatalmente, daqui 15 dias poderemos ver em diversas cidades paulistas, cariocas e nos demais rincões do Brasil o aumento de casos, regressão em fases de planos de flexibilização, bem como hospitais com UTIs abarrotadas justamente porque o ser humano é egoísta e não sabe esperar o momento certo para poder fazer as coisas.

A ignorância no Brasil (e São Carlos faz parte do país) venceu e infelizmente todos nós poderemos pagar por isto no futuro. O Brasil é uma nação falida moralmente, espiritualmente e politicamente.

Renato Chimirri

Foto: Praia Grande Mil Grau