O significado do ato do Lava-pés na Quinta-Feira Santa

Papa Francisco lava os pés de presidiários

O ato supremo de Jesus na hora de se entregar ao seu destino de Cruz passa pelo Lava-pés. Antes da ceia derradeira, Jesus se ajoelha perante seus discípulos e lhes ensina que o maior de todos deve sempre ser o primeiro a servir, a estar à disposição dos irmãos mais necessitados, daqueles que mais precisam de carinho, afeto e apoio.

Este é o ato de Jesus: lavar os pés dos discípulos, numa mostra de que o Servo não é maior que o Senhor, mas sim igual a ele. Cristo dá o exemplo nesta noite de quinta-feira de como todo aquele que se diz Cristão deve se comportar, ou seja, com caridade, respeito ao semelhante, com a força de dizer não a políticas de morte, as corrupções do dia a dia ou então aquelas corrupções imensas que assolam, por exemplo, o Brasil.

Cristo ensina com o Lava-pés que é possível viver de maneira diferente, que nem tudo se resolve na bala, com a pena de morte, com o julgamento do semelhante ou com o fascismo que muitos tentam implementar na sociedade brasileira.

Jesus Cristo foi um libertador, uma pessoa que conviveu com os mais simples, que apontou a corrupção dos poderosos e que mostrou para a sociedade de sua época a própria hipocrisia com a qual estava metida.

Nada é muito diferente dos dias de hoje quando os chamados “cidadãos de bem” pregam a violência aberta contra tudo e contra todos que discordam de suas ideias. Para piorar ainda mais, essas pessoas são as mesmas (muitas delas) que estarão nas igrejas celebrando o Lava-pés ou então em denominação religiosa semelhante participando de algum ofício apropriado.

Essa turma que hoje tenta infestar o Brasil com violência e intolerância não entendeu nada, se esqueceu que a culpa não é do diferente e que Jesus mostra o caminho: é preciso amar as pessoas como amamos a nós mesmos. De que adianta amarmos apenas nosso eu interior e deixar os demais de fora desse amor?

Não dá para fazer Páscoa com outras pessoas se você tem ódio no coração ou se ele está carregado de trevas, de medo, de morte.

Cristo se entrega, dá sua própria vida, para mostrar a todos que o amor vence a morte, que a intolerância gera desrespeito, mas que a união entre as pessoas é o melhor caminho para conseguirmos uma sociedade mais justa e fraterna.

Façamos a verdadeira Páscoa em nossos corações!

Renato Chimirri