O Som do Cury: GAL 1969, O DISCO PSICODÉLICO

Foto: Divulgação/Diário On Line

Gal, de 1969 é o disco mais diferenciado em toda a carreira de Gal Costa. Um disco único que jamais foi repetido. Totalmente influenciado pela onda PSICODÉLICA e TROPICALISMO que assolou o país no fim dos anos 60 e começo dos anos 70. Nota-se já pela capa e contra capa. Nesse disco o destaque da banda que a acompanha é o guitarrista Lanny Gordin e Jards Macalé.

O disco começa com a música “Cinema Olympia“ (Caetano Veloso), onde, sem maiores rodeios, Gal já anuncia :“Não quero mais Essas tardes mornas, normais

Vale destacar a influência nítida de a musa do movimento hippie JANIS JOPLIN

Totalmente percepitivel nas audições de  “The Empty Boat” (Caetano Veloso) e “Pulsars e Quasars” (Capinam – Jards Macalé).

Possivelmente, Gal é a última expressão do movimento TROPICALISTA.

O destaque sem dúvida alguma vai para a música  “Meu Nome é Gal” (Roberto Carlos – Erasmo Carlos), a dupla maior da Jovem Guarda .

Nesta música Gal mostra todo o seu potencial vocal, com grandes notas de agudos ruídos guitarristicos e se apresentando enquanto a banda faz altas viagens sonoras,

Meu nome é Gal, tenho 24 anos
Nasci na Barra Avenida, Bahia
Todo dia eu sonho alguém pra mim
Acredito em Deus, gosto de baile, cinema
Admiro Caetano, Gil, Roberto, Erasmo,
Macalé, Paulinho da Viola, Lanny,
Rogério Sganzerla, Jorge Ben, Rogério Duprat,
Waly, Dircinho, Nando,
E o pessoal da pesada
E se um dia eu tiver alguém com bastante amor pra me dar
Não precisa sobrenome
Pois é o amor que faz o homem

SET LIST DO DISCO:

1Cinema Olympia (Caetano Veloso),

2 Tuareg (Jorge Ben),

3 Cultura e civilização (Gilberto Gil),

4 País tropical (Jorge Ben) Participação: Caetano Veloso / Gilberto Gil,

5 Meu nome é Gal (Erasmo Carlos – Roberto Carlos),

6 Com medo, com Pedro (Gilberto Gil),

7 The empty boat (Caetano Veloso),

8 Objeto sim, objeto não (Gilberto Gil),

9 Pulsars e quasars (Capinan – Jards Macalé)

Músicos Participantes:
Baixo, guitarra solo e guitarra base: Lanny Gordin
Bateria: Eduardo Portes de Souza e Diógenes Burani Filho
Violão: Jards Macalé
Baixo: Rodolpho Grani Júnio