Os homens de São Carlos tem que oferecer respeito às mulheres

Hoje, 8 de março, data de muitas flores para alguns homens que só pensam em homenagear as mulheres com um botão de rosa. Oferecer flores para um homem ou mulher é um gesto bonito e sensível, mas o que as mulheres querem realmente, seja em São Carlos ou no resto do Brasil é primordial e fundamental para a vida em sociedade: elas precisam de respeito.

O respeito passa por entender suas escolhas, por não implicar com a roupa escolhida, com seu cabelo, com sua opção sexual, com seu modo de vida. O respeito também está em dar igualdade e oportunidade à elas em qualquer área de trabalho, lembrando sempre que a competência reside em todos e nas mulheres ainda vem com um toque de sensibilidade.

São Carlos ainda é aquela cidade provinciana onde há muitos homens que objetificam a mulher e pensam que ela é um instrumento para lhe servir ou então um mero arremedo de ser humano.

Eles se esquecem que são as mulheres que mobilizam as pessoas, organizam  e contestam o sistema. São elas que lutam por creches, saúde e moradia. Pela dignidade humana! Sem as mulheres os movimentos sociais não existiriam!

São Carlos ainda é a cidade que registra um homem afundando o maxilar de uma mulher de maneira violente como vimos recentemente, onde uma senhora é assassinada dentro de uma farmácia, uma jovem com problemas de saúde é morta em sua residência, onde outra mulher indefesa é assassinada enquanto andava de bicicleta ou então é aquele município em que mãe e filha são mortas e depois largadas em uma casa por dias em decomposição. Crimes todos bárbaros cometidos por homens, violência gratuita e desmedida.

Nossa cidade ainda é aquela em que mulheres apanham caladas em casa por medo de denunciarem um parceiro escroto, um homem indigno que usa da violência para tentar se manter nas cabeças de uma relação dominada pelo medo imposto à companheira.

Nós homens temos total culpa no que acontece com as mulheres em São Carlos e no resto do Brasil. Relativizamos, fazemos piadas, mandamos áudios para grupos de WhatsApp e ainda damos desculpas esfarrapadas para tentar disfarçar o nosso próprio machismo de cada dia. Não há mais desculpa para ser machista, para combater quem é machista, não podemos mais tolerar que mulheres morram, apanhem, sejam tolhidas de posições de destaque na sociedade apenas por serem mulheres.

Ao contrário, este é um momento de afirmação e a sociedade são-carlense conservadora e machista precisar dar lugar para uma rede de solidariedade, atenção e dignidade às mulheres. A educação de uma mulher liberta e dona de si, começa em casa com pais que saibam explicar às suas filhas o valor que ela tem e que suas opções de vida são realmente aquelas que ela entender que sejam as melhores.

O 8 de março é um dia de luta e de lembrete que devemos construir uma sociedade mais justa e fraterna colocando as mulheres no espaço de destaque que ela realmente merecem.

Renato Chimirri