“Os Reis da Aglomeração” vão destruir a saúde e a economia em São Carlos

Vazio imenso/Maurício Duch

Ontem São Carlos registrou a maior taxa de contaminados, 230, desde que pandemia de COVID-19 aportou por aqui e fontes me contaram que as autoridades de saúde estão muito preocupadas. Primeiro, graças ao número que realmente é alarmante e depois porque descobri que pelo menos 382 pessoas ainda aguardam resultado para o exame de Coronavírus. O quadro não é bom, mas a turma do “tô nem aí” prossegue a todo vapor encomendando mortes de pessoas de suas famílias ou a sua própria. Eles ignoram aquele ditado popular que diz: “Caixão não tem gaveta”. Portanto, daqui não levarão nada se morrerem de COVID e ainda por cima deixarão suas respectivas famílias entristecidas pelas perdas que eventualmente possam ocorrer.

Hoje, ficou claro ao ouvir uma autoridade de saúde falar em entrevista para uma companheira de imprensa que os casos estão subindo justamente porque o povo não quer fazer a prevenção necessária até que a vacina atinja toda a população, ou seja, como disse a profissional: “não estão nem aí!”

Mas essa triste constatação de que as pessoas não ligam mais para as medidas de limpeza, para o uso correto das máscaras, para o fato de se evitar aglomerações mostra apenas que o são-carlense parece que quer ter um compadrio doentio com a morte, nem com óbitos diários de gente nova, com menos de 40 anos, eles não prestam a atenção na gravidade do que está ocorrendo na região, é a cepa de Manaus destruindo tudo! Nem com Araraquara, nossa vizinha, em locodown total, com a nova cepa passeando de óculos escuros por vários locais, os são-carlenses seguem a determinação do isolamento social para frear a curva de transmissão. Eles precisam aglomerar em três, quatro famílias diferentes, ir no pancadão, parar na praça do Kartódromo (ou em qualquer outra) para tomar cerveja, fazer rodinha e assim ajudar o vírus a se propagar. Isso sem falar nas chácaras lotadas e alugadas. Gente, a fiscalização não tem como ver tudo e para piorar essas pessoas não tem noção do que estão fazendo realmente.

Sabe por que o comércio está fechado e os comerciantes e comerciários não conseguem trabalhar? Justamente por causa desses “Reis da Aglomeração”, da gente que não valoriza a vida. Durante este período de pandemia andei por muitos comércios fazendo reportagem e vi que a maioria, de 85 a 90%, cumpria as normas sanitárias, os comerciantes estavam preocupados em colocar para fora de suas lojas valentões ou valentonas que se negavam a usar a máscara e cumprir as regras, mas agora esse pessoal das lojas está sem por comida na mesa de suas famílias e não sabemos até quando ficaremos com as portas fechadas, pois parece que a pandemia não arrefecerá tão cedo, especialmente pelo fato das pessoas não cumprirem as regras e não ajudarem a sociedade a enfrentar essa grave crise sanitária.

O problema é de saúde, as mortes são por causa da COVID, mas estamos à beira do precipício econômico pelo fato das pessoas não ligarem para a gravidade da pandemia e consequentemente “meterem o loco” e espalharem o vírus a qualquer preço, as vezes apenas por uma lata de cerveja quente numa balada porcaria regrada a música de péssima qualidade. Vale morrer por isso? Vale deixar um comércio fechado por algumas horas de prazer pessoal quando poderíamos estar ajudando uma coletividade a sair do buraco? Vale passar a doença para seus pais, tios, avós, irmãos e etc e vê-los depois na UTI de um hospital ou então sem leitos porque já estamos acima do limite?

O “Reis da Aglomeração” deviam pensar nisso, abrir o coração ou então assumir o que fazem e dizer: estamos a fim de destruir a saúde e a e economia, porque é bem isso o que está ocorrendo. Todo dia vemos mortes e comerciantes e pequenos empresários indo para a lona porque a pandemia está fora de controle. Até quando nossa sociedade aguentará?

Renato Chimirri