Pacientes com sequelas de COVID-19 recuperam totalmente olfato e paladar com tratamento em São Carlos

Estudo mostra sucesso do tratamento

Estudo de caso clínico confirma sucesso do tratamento desenvolvido pelo IFSC/USP

Um estudo de caso clínico de recuperação total de sequelas de COVID-19 relativas à perda de olfato e de paladar numa paciente de 34 anos, residente em São Carlos, e publicado na revista científica “Journal of Biophotonics”, vem confirmar a eficácia do protocolo de um tratamento desenvolvido pelo Instituto de Física de São Carlos (IFSC/USP) com base em equipamento de emissão de luz na faixa do vermelho e infravermelho também desenvolvido nesse Instituto.

Trabalho realizado em São Carlos

Primeiro que tudo é necessário explicar aos leitores que as disfunções olfativas, vão desde a perda completa do olfato – chamada de anosmia -, à capacidade parcial ou reduzida de cheirar e detectar odores, designada de hiposmia. A anosmia é comumente associada a infecções virais do trato respiratório superior, onde se inclui a COVID-19. Da mesma forma, a ageusia, que é caracterizada pela perda completa da função do paladar, também está relacionada à COVID-19, sendo que essas duas disfunções – que são comuns em pacientes que contraíram o vírus – podem persistir após a recuperação dos pacientes, sendo descritas como síndromes pós-COVID-19. Contudo, a fisiologia dos mecanismos que levam a essas disfunções durante a infecção de SARSCoV- 2 ainda estão sendo esclarecidas.

Trabalho pioneiro

Segundo as assistentes Viviane Brocca de Souza e Laís Tatiane Ferreira, orientadas pelo coordenador clínico Dr. Vitor H Panhóca (CITESC/Santa Casa São Carlos/IFSC-USP): “A paciente em primeira consulta disse que não tinha melhora do quadro de alteração de olfato e paladar durante os meses subsequentes à Covid-19”. Posteriormente, a paciente relatou no final do tratamento: “Após as sessões de laser, o olfato e o paladar voltaram totalmente ao normal”.

O tratamento relatado neste estudo utiliza um equipamento com base em luz nas faixas do vermelho e infravermelho, desenvolvido no Grupo de Óptica do IFSC/USP, protocolo esse que foi aplicado na paciente acima citada, que contraiu COVID-19 em Outubro de 2020, tendo ficado com as sequelas de falta de olfato e paladar até Dezembro de 2021, iniciando então o tratamento já no início do corrente ano. Tendo realizado 10 sessões de tratamento (3 vezes por semana), totalizando quarente dias, com aplicações de laser intranasal e na lateral da língua, no final dos procedimentos a paciente relatou uma recuperação de cem por cento em ambas as disfunções, tendo recuperado totalmente sua qualidade de vida, comprovando assim a eficácia do procedimento.

Este caso confirma os anteriores resultados obtidos com pacientes com o mesmo tipo de sequelas.

Assinam este estudo os pesquisadores: Viviane Brocca de Souza; Laís Tatiane Ferreira; Marcela Sene-Fiorese; Vanessa Garcia; Tiago Zuccolotto Rodrigues; Antonio Eduardo de Aquino Junior; Vanderlei Salvador Bagnato (Coordenador Geral) e Vitor Hugo Panhoca (Instituto de Física de São Carlos – Universidade de São Paulo (USP), São Carlos, São Paulo, Brasil / Centro de Desenvolvimento e Treinamento de Tecnologias e Procedimentos de Reabilitação de Pacientes Pós-Cov id-19 ( CITESC- INOVA), São Carlos, SP, Brasil / Santa Casa de Misericórdia de São Carlos, São Carlos, SP, Brasil)

Para acessar o estudo publicado, clique AQUI.

Rui Sintra – Assessoria de Comunicação – IFSC/USP