Padre de São Carlos chama a atenção para a intolerância dos tempos atuais

O amor é a saída

Tolerar contra toda intolerância

Há uma doença que assusta as cidades nos tempos de hoje, esta doença se chama intolerância do outro. De todas as intolerâncias a mais absurda é a religiosa. Existe um discurso inflamado em defesa da religião, da fé, do cristianismo. O que nos possibilita questionar o que é ser cristão? A primeira vez que alguém foi chamado de cristão foi porque reconheceram nos que seguiam Jesus o próprio Cristo.

Os seguidores dele eram contrários ao mundo da época, um mundo bem parecido com o nosso, cheio de pessoas que iam na Igreja e, por isso, sentiam-se melhores do que os outros. Esses que se diziam religiosos, achavam-se no dever de julgar e excluir seus irmãos por pensarem diferente, por agirem diferente, por errarem às vezes.

Jesus e os seus, na contramão, acolhia todos estes marginalizados, a ponto de comer com os pecadores, sentar-se com as prostitutas, e tocar os leprosos. Aliás, morreu como um marginal, um bandido e excluído da sociedade. A sua morte de cruz não foi tão romântica quanto parece. Ela era a sentença de morte para aqueles considerados baderneiros, rebeldes e subversivos do povo.

Muito me admira quando alguém se sente ofendido em sua fé cristã por conta de alguém pensar ou crer diferente. Já dizia Mahatma Gandhi: “a raiva e a intolerância são as inimigas gêmeas da compreensão correta”. O que lesiona uma religião não é apenas as provocações externas a ela, antes de tudo, o que a fere é a hipocrisia dos que dizendo crer, não testemunham o Cristo na vida; dizendo amar, não toleram a si e, tampouco, a seu semelhante, alimentando em seu interior a raiva, a violência e o ódio.

Isto posto, a doença que se alastra hoje tem cura? Sim! Na medida em que se consegue compreender que o problema não consiste no diferente ser diferente, mas sim no diferente ser inferior a nós. Você que é cristão, você que tem fé, você que é diferente, não tema fazer a diferença neste mundo onde parece que o certo é ser tudo igual. Exercite a tolerância que é sinal de amor a si e aos outros, demonstração de respeito ao Cristo que a todos amou e por todos morreu.

Coragem!

Por Padre Robson Caramano

 

Imagem de MikesPhotos por Pixabay